Discurso - Assinatura de convênio do programa Água Limpa em Ipeúna 20131008

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Discurso - Assinatura de convênio do programa Água Limpa em Ipeúna

Local: Ipeúna - Data:10/08/2013

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Nosso prefeito anfitrião, Prefeito Ildebran Prata, Prefeito de Ipeúna. Nós fomos prefeitos juntos na primeira vez que o Ildebran foi prefeito. Nosso mandato foi tão bom que o povo pediu para prorrogar, né? Nosso mandato era de quatro anos. Aí, nós fomos prefeitos no período militar, naquele tempo não tinha muita democracia, e aí resolveram prorrogar. Então nosso mandato que era de quatro anos virou seis. Mas queria cumprimentar o Hildebrando Prata, Maria Luiza, Presidente do Fundo Social de Solidariedade, trazer um abraço da Lu; Vice-Prefeito, Zé Banana o Adilson, Presidente da Câmara, saudando aqui todos os vereadores. Deputado Edson Giriboni, Secretário de Saneamento; Deputado Aldo Demarchi, deputado aqui da cidade e da região; o Dr. Alceu Segamarchi, Superintendente do DAEE; o Dr. Rodrigo Marcel Porto, Delegado de Polícia; Tenente Coronel Marco Antônio Delagamba, comandante da região. O José Eduardo Leite, o Ivan Pazetto, o Regente Ricardo Abdalla, saudando aqui a nossa banda municipal; secretários municipais, amigas e amigos. Hoje é um dia feliz, né? Porque Ipeúna vai ser um município com 300%: 100% de água tratada, 100% de esgoto coletado e 100% de esgoto tratado. São poucos os municípios brasileiros [ininteligível]. Eu vi um dia desse o Globo Ecologia, e eles diziam lá o seguinte: o Brasil, no ritmo que vai indo, vai universalizar o saneamento básico em 2197. O Estado de São Paulo universaliza o saneamento básico no interior de São Paulo em 2014, o ano que vem. O litoral de São Paulo em 2016, e a região metropolitana de São Paulo 2018, 2019. Vamos ser o primeiro estado brasileiro a universalizar o saneamento. Asfaltar rua, eu já fui prefeito, é ótimo, mas asfaltar rua é administrar para automóvel. Administrar para as pessoas é água tratada de qualidade, você abrir a torneira em casa e tomar água, ter certeza que a água é de qualidade. É tirar o esgoto de perto da casa, porque fossa entope. Você tem que coletar o esgoto, e tratar o esgoto pra não poluir os rios. E além do que, esgoto na terra acaba contaminando também o solo, criança pequena põe a mão na terra, põe a mão na boca, acaba tendo problema de doença. Então, é fundamental o município universalizar o saneamento. E emprego. Nós estamos vivendo um problema com uma cidade, uma grande empresa se instalou e aí agora, não consegue ter a LI, a licença de instalação, porque não tem tratamento de esgoto. E o Ministério Público não quer deixar LI, então tá um impasse lá. A empresa estando pronta e não pode ter licença de instalação porque não tem saneamento básico. Então, isso significa saúde, meio ambiente limpo. Vamos limpar os rios todos. Aqui é o Córrego Lavadeira. Então, nós vamos tirar 10 toneladas de carga orgânica... Vamos tirar 10 toneladas por mês, limpando o Córrego Lavadeira. Com isso, limpa o Rio Corumbataí, que deságua no Rio Piracicaba, que deságua no Rio Tietê, que deságua no Rio Paraná, que se une ao Rio Paraguai, que forma a Bacia do Prata e chega no mar, no Oceano Atlântico, lá em Buenos Aires. Então nós vamos limpando tudo, até porque daqui para frente, vai ser o ano do peixe, do santos Futebol Clube, não é isso? Mais ou menos, né? Então, parabéns a Ipeúna, a capital do avião, tem aquele belíssimo avião, moderníssimo, alta tecnologia, capital dos pilotos, bons pilotos de avião e helicóptero, da agricultura natural e agora a também a capital do saneamento básico. Uma boa notícia aqui para o Ildebran. Aqui tem previstos 100 casas da CDHU, o terreno já foi doado. 100 famílias que vão poder sair do aluguel. Quanto é o aluguel de casa aqui? Quanto? 200, 300, 400, 500. E que a cidade, progresso, tudo sobe. Então nós vamos ter 100 moradias, são 500 pessoas, 100 famílias vão poder realizar o sonho da casa própria. É só pra quem não tem casa que pode se inscrever. E aí faz um sorteio se tiver mais inscritos do que a senha. O prefeito assinou o creche escola. Aqui vai ter o creche escola. Você lembra o valor do convênio? De R$1,2 milhão. Então, mais R$ 200 mil do mobiliário. Dá R$ 1,4 milhão. Então as mamães vão ter creche, segurança, gratuita, para deixar as crianças para poder ter outras tarefas. O Aldo Demarchi lembrou bem, abrimos o maior concurso da história de São Paulo. Nós vamos contratar 59 mil professores e professoras no estado, um grande concurso público para professores. A cidade vai receber também um ônibus escolar, zero quilômetro, aqui, para transporte de estudante; uma van zero quilômetro pra transporte de pacientes. Só não é aquela ambulância de cinema. A de cinema você abre a porta sai uma morena e uma loira de dentro. Mas a van novinha. O município vai receber também um caminhão coletor e compactador de lixo, zero quilômetro, daqui 20 dias já está chegando. Nós vamos ter aqui também o Centro de Convivência dos Idosos, o CCI. São Paulo é um estado amigo do idoso. Então os 645 municípios vão ter o Centro de Convivência dos Idosos. Para o pessoal se reunir, fazer festa, fazer baile, programa de geração de renda, lazer, entretenimento, enfim, Centro de Convivência dos Idosos. E as cidades acima de 100 mil habitantes o chamado Centro Dia. E nós estamos indo daqui para Cordeirópolis. Cordeirópolis trata 0% de esgoto. Nós vamos passar a tratar 100%. Lá é o Ribeirão Tatu, não é isso? Que é afluente do Piracicaba. Então vamos limpando também. Lá, todas as cidades, as da SABESP, a SABESP está fazendo, as que não são SABESP a gente faz um convênio e nós pagamos toda obra. Aqui deve dar R$ 3,7 milhões. Em duas semanas, né, Ildebran? A licitação já está na rua. Estamos licitando todas as obras ao mesmo tempo das cidades que vão ter o programa Água Limpa. O Aldo Demarchi é um bom deputado. No final do ano pediu lá uma emenda, nós liberamos R$ 500 mil para infraestrutura aqui da cidade. E vamos ajudar o prefeito pra gente poder fazer Ipeúna avançar ainda mais e melhorar em qualidade de vida da nossa população. Quero agradecer aqui o Secretário Edson Giriboni, [ininteligível] engenheiro da Poli, trabalhando aí pra melhorar o saneamento do Estado de São Paulo. Toda equipe do DAEE, representada aqui pelo Alceu Segamarchi, que é o superintendente do DAEE, que é quem assina o convênio com as prefeituras. O Aldo Demarchi, nosso deputado... Eu sou um fã do voto distrital. Nos Estados Unidos, o mandato de deputado é dois anos, não é quatro que nem aqui, é dois. E ninguém reclama, nem o eleitor nem o deputado. Por quê? Porque o voto é distrital. Que aí você sabe quem é pessoa, onde que mora, acompanha o mandato, fiscaliza, está ali presente na região. Então, o Brasil ainda não tem voto distrital, mas nós devemos trabalhar para ter uma reforma política e poder ter o voto distrital, que é mais perto das pessoas, campanha mais simples, e a gente pode participar mais do mandato. E abraçar aqui o Ildebran. Ildebran tem uma história interessante do nosso tempo de prefeito. Nosso mandato era de quatro anos. Aí, o prefeito... Eu sou do Vale do Paraíba. Então tinha um prefeito perto lá de Pindamonhangaba, minha cidade, de Piquete. E abri o jornal lá da região, chamado Vale Paraibano, e estava na primeira página do jornal, o Zé Armando lá, o retratão dele, Prefeito Piquete, dizendo assim: “Se prorrogarem o mandato, eu renuncio. Não aceito mandato ilegítimo, que não seja nascido das urnas do voto popular. Não aceito atitude da ditadura e tal”, um discurso muito forte. Aí eu liguei para o Zé Armando, que era meu amigo, falei: “Zé Armando, quer dizer que se prorrogar você vai renunciar? Você foi eleito, vai renunciar, e aí?”. Aí ele falou: “Não, Geraldo, não vai ter prorrogação nenhuma. Não vai ter prorrogação. O pessoal não tem notícia e fica inventando moda. Você acredita em Papai Noel? Não vai ter prorrogação. E eu tô aí. Hoje já dei entrevista para Rádio Eldorado em São Paulo, para Jovem Pan, primeira página do jornal da região. Eu estou aí no pedaço”. Aí eu falei: “Tá bom”. Passaram 15 dias... Pindamonhangaba se fazia naquela época uma grande fábrica, a Vilares, uma siderúrgica, e o Ministro de Minas e Energia era o César Cals, e ele foi lá pra visitar a construção da fábrica. Aí ele me encontrou, eu era prefeito, falou: “Prefeito, já está preparado para ficar mais dois anos?”. Eu falei: “Por quê?”, “Não, já está decidido, período militar, já foi decidido, vai prorrogar. Para coincidir com as eleições, vai ser prorrogado”. [ininteligível]passado uns meses realmente prorrogado o mandato. Aí a imprensa foi em cima do Zé Armando, Prefeito de Piquete: “E a renúncia?”. Aí o Zé Armando falou: “Olha, eu vou fazer um plebiscito para saber se o povo quer que eu fique ou quer que eu saia”. Passadas mais umas três semanas, a imprensa foi em cima do Zé Armando, ele falou: “Olha, o Tribunal Eleitoral diz que o meu plebiscito não tem previsão. Nós vamos fazer um referendo, uma consulta popular”. Deu um mês, nada, a imprensa foi em cima dele de novo, falou: “Olha, eu reuni os funcionários da prefeitura e eles fizeram um apelo...”. Só os do gabinete ele reuniu, né? Até hoje eu encontro o Zé Armando: “Zé Armando, e a renúncia, hein, Zé Armando?”. Mas o fato é que o nosso mandato, que era quatro, né, Ildebran, virou seis anos. E eu gostei muito, confesso, porque eu tinha feito um financiamento do BNH na época, projeto [ininteligível] de infraestrutura e não ia dar tempo, porque financiamento é coisa que demora. Aí com os dois anos deu para entregar um monte de obra. Mas eu quero deixar um grande abraço. Dizer da alegria de estar aqui em Ipeúna. Cumprimentar um senhor inteligente com a camisa do Santos ali. Parabéns! Vamos ter fé, Sr. Sebastião. Meu filho é corintiano, aí ele falou: “Olha, o Santos está tão mal que comemora até empate, né?”. Mas vai melhorar. E especialmente dizer, Ildebran, conte com a gente. Nós vamos fazer outros convênios aí pra fazermos uma boa parceria. Muito obrigado.