Discurso - Aula/Adventista 20132202

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Discurso - Aula/Adventista

Local: Capital - Data: 22/02/2013

ORADORA NÃO IDENTIFICADA: ...estado de São Paulo, doutor Geraldo Alckmin, para proferir a aula magna aos alunos do curso de saúde do UNASP, campus São Paulo.

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Bom dia a todas e a todos! Eu quero cumprimentar o professor Euler [ininteligível]. Cumprimentar o professor Euler Pereira Bahia, magnifico reitor aqui no Centro Universitário da UNASP. Agradecer o convite, agradecer as palavras de estímulos, de confiança. Obrigado! Quero cumprimentar o deputado federal Júlio Semeghini, que é nosso secretário de Planejamento e Desenvolvimento Regional, amigo aqui da Universidade; Cumprimentar o pastor Domingos José de Souza, presidente da mantenedora da UNASP, agradecer também suas palavras, sua confiança; Cumprimentar a professora Silvia Cristina de Oliveira Quadros, pró-reitora de graduação; O professor Hélio Carnassali, diretor -geral do campus São Paulo, aqui da UNASP. O Davidson Berger e Roni Dias, professores da escola de artes; Coordenador e chefes de departamento; professores; alunos; funcionários; equipes do PSF; amigas e amigos. Quem que é da Psicologia aqui? Quem é da Enfermagem? Quem que é da Fisioterapia? Quem é da Nutrição? Educação Física? Tem mais algum outro curso aqui? São os quatro. São os quatro não é? curso universitário? Olha, ao agradecer aqui o convite, dizer da alegria de voltar aqui ao centro universitário, o que é que eu preparei aqui para vocês? Uma palavrinha na abertura aí, do ano letivo, sobre o tema, hoje, momentoso, que é stress, ansiedade e depressão, levando inclusive, à chamada Síndrome do Pânico em alguns casos. Então vocês vão deparar no dia-a-dia com muita gente estressada, muita gente ansiosa. E o amanhã? Muita gente em depressão. Não vai dar certo. Muita gente em Síndrome do Pânico. Não posso nem ouvir falar nisso. Que nós profissionais de saúde, a gente precisa sempre levando bons hábitos para as pessoas, não é isso? Quer dizer, bons hábitos. Muito dos problemas de saúde, a gente contrai por maus hábitos, não é? Maus hábitos. Então, a educação para a saúde, ela é fundamental. Antes disso, eu só mostrar dois indicadores que acho que são importantes. A saúde no Brasil: ela está melhorando ou está piorando? Está melhorando. Ela tem um problemão de falta de? Financiamento. A Organização Mundial de Saúde estabelece vários parâmetros, mas o melhor parâmetro de saúde é redução de mortalidade infantil, esse é o padrão mais importante para a gente fazer um diagnóstico da saúde. Mas antes, o que é saúde? O que é saúde? Se eu fizer um petscan, exame de sangue, não tenho câncer, não sofro do coração. Eu tenho saúde? Então, antigamente se dizia, “Saúde é não ter doença”. Então, o conceito moderno hoje da Organização Mundial de Saúde, é que saúde não é mera ausência de doença. Saúde é um estado de bem estar físico, psíquico e social, então é mais amplo. Saúde é um estado de bem estar físico. Se eu estou com uma dor de dente, um negócio impressionante, uma dor de ouvido, eu não tenho saúde, porque eu não estou com bem estar físico. Se eu atendo o telefone, tem uma notícia grave de uma perda de alguém, naquele período eu não tenho saúde, porque eu não tenho bem estar psíquico. Aliás, muito das doenças começam por desequilíbrio, por depressão. E se eu estou fugindo da Polícia eu não tenho saúde, porque eu não tenho bem estar social. Então, saúde é um estado de completo bem estar físico, psíquico e social. Então, saúde do Brasil e em São Paulo, então um indicador importante. O que é mortalidade infantil? Mortalidade infantil é o número de crianças que morrem no primeiro ano de vida, dentre 1.000 nascidas vivas. Então, cada 1.000 crianças que nascem vivas, quantas vão morrer no primeiro ano de vida. Por que no primeiro ano de vida? Porque é onde o risco de morte é mais alto. Depois que a criança passa um ano, a possibilidade de óbito cai muito, o risco é, e principalmente, no comecinho. Um dia desse eu fui... o Júlio Semeghini, conhece? Tem o ex-deputado chamado Willian Woo, que ele transita em todas as nacionalidades. O pai é chinês, a mãe é japonesa e a mulher é coreana. E eu fui no aniversário lá do filhinho dele. Aí eu cheguei lá e falei: “Quantos anos, menininho?”. “Noventa dias”. “Noventa dias tem aniversário?” Essa é a história da Coreia. A Coreia que era um país muito pobre e hoje a Coreia do Sul é riquíssima, um dos países mais ricos do mundo. Aquela Coréia muito pobre, quando a criança completava 90 dias, comemorava: Sobreviveu. Porque o perigoso são as primeiras semanas. Então a mortalidade infantil em São Paulo, era de 31,2, a mortalidade infantil, em 1990. Hoje é 11,5. A maioria dos municípios de São Paulo é um dígito, é um dígito: é 8, é 9. Quase nível europeu. Em 1940 no Brasil, a mortalidade infantil era 140. Quer dizer, de cada 1.000 crianças nascidas vivas, 140 morriam. Era comum uma mamãe dizer: “Tive cinco filhos, vingaram quatro. Vingaram três.” Morria muita criança. Hoje é muito difícil uma criança falecer. Então, um dos principais indicadores de saúde da OMS é mortalidade infantil. O Brasil tem 18 e o estado de São Paulo tem 11. Nossa meta é baixar de 10. Os dois estados com menor mortalidade infantil do Brasil é São Paulo e Santa Catarina. Alguns estados do Nordeste é 30, 40, a mortalidade infantil. E essa queda forte de mortalidade infantil, nós devemos ao pré-natal, a mamãe fazer o pré-natal; aos cuidados do parto; do neonato, do nenenzinho, nas primeiras semanas; do Programa de Saúde da Família. Do que é que morriam as criancinhas? De GECA: gastroenterocolite aguda, diarreia e vomito. É leite que não fica na geladeira, é aquele restinho da mamadeira, deixa ali fora, depois dá de novo para a criança, ela acaba tendo uma infecção grave. Então, cuidados de educação; pré-natal; parto; pós-natal, despencou a mortalidade infantil. Nós estamos vivendo mais ou menos? Mais, bem mais. Mudou o perfil demográfico. Quem é idoso? Quem é idoso? O que é que vocês acham? Mais de... Sessenta. Idoso, Euler, é aquele que tem pelo menos, 10 anos a mais do que nós. Vocês que têm 20, a partir dos 30, já é tiozinho. Quando chegar nos 30, é a partir dos? Quarenta. Quando chegar nos 40, é a partir dos? Cinquenta. Vai sempre empurrando. Mudou o perfil demográfico. Hoje não é difícil você encontrar pessoas acima de 90, ou até 100 anos de idade. Em 1940, o Brasil... quem nasceu aqui, a expectativa de vida média ao nascer era 41 anos de idade. Em 1940, a expectativa média de vida, de vida, no Brasil era 41 anos de idade. Por quê? Porque a mortalidade infantil era muito alta, então puxava a expectativa para baixo, morria muita criança. Morria do quê, as criancinhas? Tétano umbilical; infecção, moléstias infecto-contagiosas e não tinha antibiótico. Do que é que se morria no passado? Moléstia infecciosa, tuberculose. Campos do Jordão chegou a ter 17 sanatórios, porque não tinha tratamento para o bacilo de Koch. Então a pessoa contraía a tuberculose, tinha que ir pra um lugar frio e alto, torcer para o bacilo não se proliferar, porque não tinha o que fazer. Hoje você trata em casa tuberculose, os sanatórios de Campos de Jordão viraram hotel, saúde mental, hospital geral, porque não tem mais razão pra isso. Lepra, Mal de Hansen... fazendas, verdadeiras colônias: Colônia Santo Ângelo. Colônia, eram fazendas, você pegava a pessoa em casa, pai, mãe, filho, na marra e levava para lá e... Não pode sair daqui, fica preso naquelas colônias. Ali tinha cinema. Crianças que cresceram ali, nas chamadas colônias. Guarulhos, Mogi, Itú, Parapitingui, Pirapitingui, isso não existe mais, hoje pacientes com Mal de Hansen se trata em casa, nem internam. Então mudou. Tétano, gripe. A gripe espanhola, em 1918 matou 300.000 brasileiros, 300.000 brasileiros, inclusive o presidente da República, o presidente Rodrigues Alves morreu de gripe espanhola, porque não existia antibiótico. Então, as pessoas morriam muito cedo, expectativa de vida média: 41. Hoje no Brasil, 73,5; São Paulo, 75,1. Os mais altos índices de expectativa de vida estão em São Paulo, de novo o Sul do Brasil e Brasília. Por que Brasília? Porque há uma relação direta entre saúde e dinheiro, quanto menos dinheiro, menos saúde; quanto mais dinheiro, mais saúde. Você pega o Japão: expectativa de vida acima dos 80 anos; você pega países pobres, expectativa de vida lá embaixo; você pega aqui, São Paulo: 75; Distrito Federal, Brasília, a mais alta renda Per Capita do Brasil, salários na estratosfera; você pega estados como Alagoas, Maranhão... quem nasce lá, expectativa de vida 10 anos a menos, 10 anos a menos. Então, a expectativa de vida está subindo. Quem vive mais, homem ou mulher?

ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS DA UNASP: Mulher.

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Por quê? Qual a explicação? Os homens cuidam bem das mulheres? Bons maridos, hein? Qual a primeira causa de morte? Do que é que se morre? A primeira? Coração e? Grandes vasos. Os hormônios femininos, estrógeno e progesterona, os hormônios ovarianos femininos protegem o sistema cardiovascular. Então, se você for agora na unidade coronariana lá do INCOR, de cada 10 leitos, sete deve ser homem e três mulher. Depois da menopausa, quando cai a taxa de hormônios femininos, esse índice vai igualando, mas ainda mantém uma proteção por um bom tempo. Então, primeira causa: coração e grandes vasos, os homens estão mais sujeitos aos problemas do coração. Qual a segunda causa de doença, morbi, de morte, mortalidade no Brasil e no mundo? Câncer. Então, há diferença entre homem e mulher, estatisticamente? Não. O que há é o órgão. Qual é o primeiro tumor que mais mata na mulher?

ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS DA UNASP: Mama

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Segundo?

ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS DA UNASP: Útero

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Útero? Não. Era no passado, antes do Papanicolau, dos exames. Útero está lá no fim da fila. Na realidade, o primeiro câncer, tanto no homem quanto na mulher, é pele, primeiro são os cânceres de pele. Nós estamos em um país tropical, temos que ter cuidado, pessoas de pele clarinha, pegar esse solzão. Agora ainda é de manhã, mas do meio dia, muito cuidado com o sol. Agora, o câncer de pele, ele não mata, o que mais mata é o de mama. Porque o câncer de pele, você tem carcinoma e melanoma; o carcinoma é um câncer, aquela manchinha, pintinha, mas ele não dá metástase, então ele tem baixa mortalidade, tira aquilo e acabou, não vai acontecer nada. O melanoma ele pode ser, determinado tipos de células, muito agressivo, muito agressivo. Mas, o primeiro é pele, mas do ponto de vista epidemiológico, a maioria não dá metástase, é carcinoma, não tem muito problema. No caso da mulher, o primeiro é? Mama. O segundo? Tubo digestivo. Ou, se for fumante, pulmão; e depois é que vem colo de útero e útero, razão Papa Nicolau despencou o câncer de útero. E nós vamos produzir provavelmente, vai ser decidido agora em março, aqui do lado, aqui na Zona Sul, tem o Instituto Butantã, é o maior instituto soroterápico da América Latina, é o instituto do governo do estado de São Paulo. Não tem só cobra, não é? Produz o soro antiofídico, mas ele produz vacina. Então, a vacina da gripe, do Influenza, da gripe do idoso, nós vamos produzir esse ano 7,5 milhões de vacinas; o ano que vem, 20 milhões; e em 2015, 40 milhões de doses de vacinas. Nós vamos abastecer todo o Brasil aqui pelo Butantã, e ainda talvez, um pouco da América Latina. Nós estamos propondo ao governo federal, fazer aqui a vacina do HPV, o HPV é o vírus que é um dos indutores do câncer de útero. Se a gente conseguir produzir a vacina e vacinar a população, aí o câncer de útero quase que vai desaparecer praticamente. Homem: Primeiro câncer é pele, igual a mulher, mas ele não é metastático, então não tem nenhum problema. O que mata? Primeiro: Próstata. Com 80 anos de idade em cada 10 homens, sete terão câncer de próstata. O câncer é uma doença ligada à idade. Quanto mais velho, maior a incidência. Pode um jovem ter câncer? Pode, claro que pode, mas é muito raro. Uma pessoa de idade amarelou e emagreceu, procura. É diretamente ligado à idade. A vantagem é que passou a ser uma doença curável, você cura ou por cirurgia, quimio ou radioterapia. Terceira causa de morte, qual é? Primeiro é coração, segunda é câncer e terceira... Diabete. É importante, mas não é. A terceira causa de morbimortalidade não é doença, é causa externa, é acidente, não é doença. É o fim de semana do jovem. Infelizmente, nós perdemos os nossos filhos, netos, sexta à noite, sábado a noite, desastre de automóvel, motocicleta, bebida, afogamento, queimadura. Olha lá a boate de Santa Maria: causa externa. Tiro, homicídio, então são as causas externas. A primeira causa é coração, é mais homem do que mulher. A segunda causa é câncer, igual. Terceira causa, causa externa. Quem tem mais acidente homem ou mulher?

ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS DA UNASP: Homem.

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Homem. Nós temos 201 mil presos no Estado de São Paulo, 201 mil presos. Quantos são homens e quantas são mulheres? 95% são homens. E os 5% das mulheres é a má companhia dos homens. Aqui mostra bem, ó, 1940; a pirâmide demográfica, a pirâmide demográfica é de base larga. Então o Brasil ouvia dizer: “O Brasil é um país jovem, país jovem”. O que é um país jovem? Muito jovem, muita criança, base larga. Olha aqui: até 30 anos de idade é 70%. E poucos idosos. Esse era o Brasil do passado, um país jovem. Hoje o Brasil é um país maduro, maduro, começa a ter bastante gente com mais idade. E no futuro o Brasil vai ser um país idoso. Idoso! Isso é uma tendência mundial. Por quê? Nascem menos crianças. A minha esposa, a Lu, ela é a sétima irmã de 11 filhos. 11. Minha sogra teve 11 filhos e pegou mais um para criar: 12. Vejam como a sociedade era mais generosa. Ela partilhava mais, dividia mais 12. 11 e mais para criar: 12 Hoje os casais, ou as mulheres, têm quantos filhos em média? ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS DA UNASP: Dois

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Menos que dois: 1,8, 1,9. E as mulheres ainda empurram a maternidade mais para frente. Antigamente era 17 anos de idade, 18. Hoje, tudo 30. Então, o Brasil passou a ser um país maduro. As causas de óbito: do que é que se morre no Brasil e no mudo, não é? Porque não é diferente. A primeira causa, coração e grandes vasos: 30% da população vai morrer de coração ou questões do aparelho circulatório. Aí, a importância de baixar o estresse, a importância de mexer o corpo, a importância da alimentação correta. Grande parte das doenças do coração são maus hábitos. São maus hábitos. A segunda causa são neoplasias. Olha, está aumentando, olha. Neoplasias são os tumores. O que é um tumor? É uma célula anárquica. Anárquica! Eu tiro um pedacinho aqui da mucosa do estômago e ponho no microscópio, as células estão todas iguaizinhas, é o tecido gástrico. Pego o pulmão, faço o corte, ponho no microscópio, as células são iguaizinhas. É o tecido. De repente, tem uma célula louca, totalmente diferente. Totalmente diferente. Que reproduz numa velocidade impressionante. Ela consome tanta energia, que a pessoa emagrece. Ela consome tudo. Esse é o tumor. O que é que causa isso? No caso da pele, tudo o que irrita muito, tudo o que machuca muito, tudo que fere muito. Então, o sol é um dos principais problemas. Outros, ninguém sabe ainda. No caso do pulmão, é cigarro. É um dos itens. O alcatrão do cigarro fere, fere, fere, fere. Acaba levando à formação de uma formação tumorosa. Um dia desses eu fui, Júlio, tomar um café lá no centro, depois fui pagar e tinha uma mocinha no caixa do bar. Aí, uma parede de maços de cigarro. Tudo com cigarro. Olhei o primeiro maço, tinha assim uma cinza caindo e estava escrito assim: “Cigarro dá impotência”. Aí, olhei para o outro do lado, uma caveira: “Cigarro mata”. Ai, eu perguntei para a mocinha do caixa, “O pessoal lê isso aqui e compra o cigarro?”, Ela falou: “Doutor, compra. Mas todos querem o que mata, não é?”. Olha, a terceira é causa externa. O que é causa externa? Acidentes: afogamento, atropelamento, tudo que não é doença. Pode dizer o seguinte: os idosos vão morrer do coração, de câncer ou de doenças do aparelho respiratório, até um pouquinho do digestivo. Aqui está a diabetes, endócrino. Mas o jovem vai morrer de causa externa. Então, o grande problema do jovem é o acidente, é a causa externa. Os idosos, as doenças. Aqui, um fato importante: A maior causa externa de morte era homicídio, bala, tiro. Nós tínhamos em 1999, 12.818 homicídios. Isso veio, 12, 12, 11, 10, 8, 7, 6, 4, 4, 4, 4, esse ano, fevereiro já está caindo de novo. A Organização Mundial de Saúde estabelece que acima de 10 homicídios por 100 mil habitantes é epidemia. Tem caráter epidêmico os homicídios. 10 por 100 mil habitantes. O Brasil tem 24 homicídios por 100 mil habitantes. Algumas cidades brasileiras isso dá até 40, 50. O norte do México, divisa com os Estados Unidos, tem município que é mais de 100, 120 homicídios por 100 mil habitantes. 10. O Estado de São Paulo tem quantos habitantes? 42 milhões de habitantes. Quanto é 10 por 100 mil? É 4,2 mil. Então nós não podemos passar de 4,2 mil por ano, no estado inteirinho. Então, nossa meta é reduzir isso aqui. Aqui chegamos. Agora precisa voltar de novo. Baixar de 10. Claro que o ideal seria zero. Agora, infelizmente, é impressionante. Você tem marido que matou a mulher, mulher matou marido, briga de bar, é uma coisa assim, difícil às vezes... Você não tem como ter polícia dentro da casa das pessoas. Acerto de contas, de gangue. Mas, a redução é impressionante. Então, qual é a primeira causa hoje externa de morte? Não é mais homicídio. Homicídio matou 4 mil, mas tem uma coisa que matou quase 6 mil o ano passado: acidente no trânsito. Trânsito: moto, carro. É mais perigoso do que homicídio. Então, o trânsito: moto, carro e atropelamento. Aqui uma palavrinha do nosso tema, rápido aí para não cansar vocês. A nova Medicina das Emoções. O que é estresse? Alguém aqui está estressado? Vai ter prova essa semana? não vai, não é? Se eu estou tranquilo, respirando 20 vezes por minuto, o coração batendo 80 vezes por minuto. Sereno, calmo, eu estou em homeostase, homeostase; homeostase é o equilíbrio. Rompeu o equilíbrio, eu entrei em estresse. Então, o estresse é a ruptura do equilíbrio. Por uma agressão física: eu estou martelando um prego, erro a pontaria e martelo o dedo; enfio o dedo na porta e fecho a porta; estresse físico. Estresse infeccioso: peguei uma amigdalite estreptocócica, 40 graus de febre, pelando de febre: estresse; o agente é infeccioso. Psíquico: atendo o telefone e tenho uma péssima notícia, me dá uma descarga de adrenalina, noradrenalina psíquica. Então, o estresse é a ruptura da homeostase, desequilibrou. O estresse pode ser de alerta, de resistência, de exaustão. O que é o de alerta? É o estresse bom. Chego em casa, vou pôr a mão em cima da chapa fervendo, ou o que é mais comum: ligo a torneira, abro a torneira, torneira quente, não percebe, enfia a mão debaixo da torneira, “Ops”: você tira na hora: É o alerta, ele fala a gente se defender. Estou dirigindo o carro, uma criança entra na frente, eu paro. Você libera a supra renal. Lhe joga no sangue adrenalina, noradrenalina e eu me preparo para a luta ou para a fuga. Entra aqui um PitBull, você está preparado. Então o que o organismo faz? O coração bate, dispara, a pupila dilata para você enxergar melhor, o sangue gira mais depressa. O sangue vai pra musculatura para você correr ou lutar; a pressão sobe, pressão sanguínea sobe, você se prepara. Então, o estresse bom, fase de alerta. Eu entro e saio o dia inteiro, eu entro e saio o dia inteiro. Estou saindo ali, eu dou uma tropeçada na calçada, eu já dou um alerta: Estresse de resistência. Eu passo o dia inteiro estressado, a mão suando, tenso, não é? Estresse de exaustão: o cara “pifa”, leva à doença. Então, fase de alerta, entra e sai com frequência. Isso é normal, o dia inteiro. Estou dirigindo: “Ôpa!”. Levo um sustinho aqui, estou na aula: deixa eu ficar mais atento. Estresse bom, estresse de alerta. Estresse para viajar. Minha mãe quando era pequena, às vezes a gente ia em Ubatuba, na véspera da viagem ela não dormia, ficava tão entusiasmada com a viagem que não conseguia dormir. A noiva quando vai casar: stress bom. Aquele nervosinho da espera. Tirar férias, ir à festa, encontrar um namorado, enfim. O que é que dá esse estressezinho? Pode dar uma dorzinha muscular, a mão fica suando um pouquinho, coração dá uma palpitaçãozinha, respiração fica mais ofegante, às vezes você vai falar e a respiração fica mais ofegante; pode ter um disturbiozinho do sono, não dormir muito tranquilo; comer um pouquinho a mais, mas nada preocupante, faz parte e é stress bom. Resistente: é aquele stresse que não sai, passa o dia estressado. Aí, o que é que vai acontecer? Queda de resistência e imunidade. Então começa surgir doença oportunista, alergia, pega gripe, herpes, asma, afta, dor de cabeça, problema de memória: “Pô, mas não consigo lembrar o nome de fulano.”, dificuldade de tomar decisões, às vezes a pessoa toma decisão errada, porque está tão estressado que maximiza alguns problemas, explode na hora que não pode explodir, fala e depois se arrepende do que falou, magoa pessoas da família ou amigos. Não porque queira, mas é porque está explodindo. Desgaste, desmotivação, cansaço, a pessoa já acorda cansada. Desconfiança, insegurança, erros nas decisões, exaustão. Aí a fase pior: doenças mais graves, as chamadas doenças psicossomáticas. Então, enxaqueca, escamação da pele, problemas de pele, queda de cabelo - dá para ver que eu tive muito stress, não é? - Torcicolo de repetição, pesadelo, insônia, mau hálito, bruxismo, flatulência, obstipação, irritabilidade, diarreia, anginas, dores, arritmias cardíacas, enfarto: Stress mata! Enfarto, crise de choro, raiva, revolta, tédio, rejeição, alteração de libido, queda da autoestima, depressão. E da depressão vai para a Síndrome do Pânico. A depressão em estado mais grave, leva à chamada Síndrome do Pânico. Muito bom! Como é que a gente pode então, sem precisar mudar para Ilha Bela e ficar numa rede lá... E a gente pode ir para Ilha Bela e na rede, e estar estressado e deprimido, não é garantia de nada. Como é que a gente pode, nessa vida agitada dos grandes centros, por métodos naturais, naturais, para vocês darem dicas para as pessoas que vocês forem conviver na vida profissional, ajudá-las a melhorar a questão do estresse, ou seja, não passar do alerta para a resistência e exaustão, parar aqui. Então, o que é que faz o estresse? A pessoa quando entra em estresse, a supra renal, as glândulas supra renais, as duas, aqui em cima do rim, as duas supra renais liberam grande quantidade de catecolaminas, que é o que promove alterações no coração e no sistema nervoso. Nós temos... a vida é acelerar e frear, acelerar e frear; então o Sistema Nervoso Autônomo, ele tem o simpático e o parassimpático, não é isso? Então, como é que se dirige um carro? Você acelera e freia, é assim que funciona. Se só acelerar se batia; se você não acelera, não sai do lugar. Sistema Nervoso Autônomo Simpático, ele acelera, às vezes acelera demais, então a pessoa fica a mil por hora. Você pede para ela sentar em cima de uma cadeira, dobra aqui, pega aquele martelinho, bate aqui, o pé vai lá na frente: está que está com hiper reflexão, então está acelerada demais. E o parassimpático segura, ele reduz o batimento cardíaco, ele reduz a ansiedade, a hiper reflexão, então é o equilíbrio. A medicina chinesa, que tem 4.000 anos, ela diz o seguinte: “O envelhecimento é natural”, e passou dos 20 aninhos de idade já está envelhecendo. Então, envelhecimento é natural, isso não é doença, isso é normal. Agora, a doença é desequilíbrio, desequilíbrio. A hora que desequilibrou... Por que é que um tem hepatite e o outro não tem? Por que um enfarta e o outro não enfarta? Por que um tem câncer e o outro não tem câncer? A hora que desequilibra, surgem as doenças. Então é importante você manter as pessoas equilibradas. Nós temos no cérebro, um cérebro dentro do cérebro, chamado cérebro emocional, emocional. Sistema límbico, sistema límbico. É um cérebro dentro do cérebro, o chamado cérebro emocional. Antigamente só se valorizava a inteligência cognitiva. Cognitiva é cortical, é a capacidade de resolver problemas. Então se fala: “fulano tem QI 150”. “O Obama é 170”. “O Bill Gates é 190”. É tudo inteligência cognitiva. Aí você pegava esses gênios de QI não sei quanto, e na vida prática tem um monte de problema. Então falou, “Opa, não basta ser geniozinho, tem algo mais”. Que aí vem o conceito que a Psicologia trouxe da Inteligência Emocional. O cérebro das emoções. Um cérebro dentro do cérebro, chamado sistema límbico. E que eu não controlo. “Para coração!”, mas não dá a menor bola pra mim. “Para de suar a mão!”, mas nem toma conhecimento. “Diminui a frequência respiratória!”: Não tem controle. Então, existe dentro do cérebro, tem a parte cortical, cognitiva, da racionalidade, de resolver problemas, da inteligência, e tem a parte das emoções, do chamado sistema límbico. Aqui um outro fato importante: Como é que eu transmito o impulso nervoso? Dê a mão para ela. Dê um tiro. Dê um tapa em alguém. Como é que a ordem sai do cérebro e chega lá na ponta? O Neymar marcar um gol: Como é que sai e chega lá na ponta do pé do Neymar? Como é que a ordem chega lá? Como é que caminha isso? Impulso nervoso. Então sai do cérebro, chega lá e dá um chute, dá um tapa, dá mão. Tudo é assim. Como é que o impulso nervoso passa se um neurônio - neurônio é a célula nervosa - não encosta no outro? Existe um espaço entre uma célula nervosa e outra. Como é que chama esse espaço? Sinapse. Se não encosta uma célula na outra, como é que o impulso nervoso pula de uma célula para a outra? Vejam que tem... Essa é uma célula nervosa. Essa é outra célula nervosa. Tem aqui um espaço chamado de sinapse. Olha aqui um neurônio, célula nervosa, e aqui outro neurônio, e aqui outro neurônio, e tem um espacinho que depois a gente vai analisar. Como é que transmite o impulso de um para o outro? Por mediadores químicos. Então esse neurônio pré-sináptico lança uma substância química, que o neurônio pós-sináptico tem receptores e pega essa substância química, e o impulso nervoso passa. O que é uma pessoa em depressão? Falta mediador químico no espaço sináptico. Deprime: não vai dar certo, vou desistir. Não vai, afunda. O que faz a Farmacologia? As sertralinas [ininteligível,] os antidepressivos. Nos Estados Unidos chegaram a ser mais usados, até na água da Sabesp, vamos dizer, é o medicamento mais comprado nos Estados Unidos. O que é que eles fazem? Enchem as sinapses de mediador químico, o cara levanta, opa! Dá uma levantada. Veja como essa questão da química é importante. Qual é o mal do nosso tempo? Qual é a epidemia da juventude do nosso tempo? Droga, crack, mudança do chamado sistema de recompensa. Por que é que eu estudo, estudo, estudo e venho aqui, fico o dia inteiro, a manhã inteira estudando para depois eu ter uma recompensa. Qual é a recompensa? Ter o diploma, aprender, conseguir um trabalho. Você trabalha, trabalha, acorda cedo, dorme tarde, se sacrifica para poder tem um dinheirinho para manter a família. São sistemas de recompensa e que precisam ter valores e princípios, é o nosso patrimônio. O que faz a droga? Sistema de recompensa rápido, prazer químico imediato, sem sacrifício. Tome a droga, euforia, aquilo ela vicia rápido, vicia rápido e depois a pessoa quer repetir, repetir e tem a fissura. A menina se prostitui para comprar droga, o menino comete crime para comprar droga, é crônico, é redicivante. Atuação direta das anfetaminas, das substâncias psicoativas no sistema límbico. Doença, se não tratar, não vai sair. Não vai sair, é doença, é química. Aquilo encaixa no receptor. Está se estudando uma vacina para o sujeito tomar a droga, mas a vacina bloqueia o receptor, então não tem ação. E as drogas como o crack é muito rápido: três, quatro, cinco inaladas já está dependente químico. E ele fica desesperado. Vou dar um exemplo prático que eu vivenciei. Eu fiz sempre anestesia. Então, a anestesia é muito comum, você tem isquemia nervo inferior, pé. Então chega a um ponto, ou por diabete, ou por obstrução vascular, amputa a perna, corta a perna. E a pessoa tem durante vários dias uma dor no pé, mas uma dor no pé tremendo. O pé que não existe mais. Chama dor no membro fantasma. Não existe mais, mas aquilo dói uma barbaridade. Então, o que é que fazem os médicos? Dão morfina. Morfina [ininteligível] que é um analgésico muito potente, que é remédio, morfina, analgésico. Só que vicia, porque ela causa um bem-estar. Então um caso, outro dia eu estou em casa, em Pindamonhangaba, de madrugada, buzina tocando. Buzina, buzina, buzina. Eu falei: “Nossa, alguma coisa grave aí”. Foi lá um amigo de Guaratinguetá, que tinha uma loja de automóveis usados, vendia automóvel... Teve uma obstrução vascular, amputou a perna, deram muita Dolantina para ele e ele ficou dependente químico. O cara perde o desconfiômetro. Vai na casa, arromba a tua casa, cria constrangimento, tira de madrugada, para pegar uma receita de Dolantina. Desesperado. Viaja de Guará à Pinda, sem perna, o carro hidramático. Você faz loucura, por causa da dependência química. Tudo ação no cérebro. Eu estou mostrando isso aqui porque é nesta sinapse que age aqui, os mediadores químicos. Nós podemos produzir mediadores químicos sem remédio, com métodos naturais. O que é que é o barato do corredor? O barato do corredor é a sensação de satisfação, pelo aumento da produção de neuropeptídios de cadeia longa: serotonina, dopamina. Só andar, só mexer o corpo. Aqui mostra bem a sinapse, veja que o neurônio o axônio pré-sináptico, o pós-sináptico não encosta um no outro, então sempre a transmissão é química. Aqui uma rede de neurônios. Aqui mostra bem, o terminação... aqui é um axônio que está terminando. Aqui os neuropeptídeos, que são os mediadores químicos, no caso aqui, glutamato. Aqui o receptor de glutamato. E aqui a transmissão do impulso nervoso. Então a sertralina, os antidepressivos, eles agem aqui. O que faz o stress? Ele pega de volta o mediador químico, falta mediador químico nas sinapses de uma pessoa em depressão. A droga evita receptação, recaptação de mediador químico, e com isso muda a sinapse de mediador químico. Aqui mostra, mesma coisa: o adreno receptor pré-sináptico, o adreno receptor pós-sináptico e a transmissão do impulso nervoso. Vivência cardíaca: quem tem coração bom, o cérebro funciona melhor ou pior? Melhor. O coração do Pelé, evidente que é um coração de atleta, ele bomba muito mais... o atleta oxigena melhor o cérebro, bomba melhor o cérebro, o ritmo é melhor. Então melhora a atividade cerebral. A coerência... chamada coerência cardíaca. Aqui é aquele sistema de acelerador e de freio, que eu mostrei, a cadeia de gânglios simpáticos, que faz acelerar e o nervo vago, décimo par craniano, parassimpático, que desacelera e você tem um sistema. Então se o coração está bem, melhora a atividade, há estudos mostrando que... a pior perda que uma pessoa pode ter. Alguém morreu, uma separação, quem faz ginástica e quem não faz ginastica, quem faz ginastica supera muito melhor as piores dores, os piores momentos da vida, por quê? Porque tem um sistema de circulação sanguínea melhor e produção de mediadores químicos. Aqui mostra de novo, a coerência facilita a atividade cerebral. O caos interfere na atividade cerebral. Se o meu coração não funciona direito, estou com uma arritmia cardíaca, coração fraco, não faço nada, minha vida é sedentária, o que for, isso leva a um caos, um caos na atividade cerebral. Se eu tenho um coração funcionando muito bem, eu tenho atividade cerebral melhor. É indiscutível que uma pessoa com maior capacidade de oxigenação, terá um cérebro potencialmente mais capaz de fazer um trabalho mais pleno e equilibrado. Energia da luz: O que se observou? A gente acorda cedo, janela toda fechada; vai estudar, janela toda fechada; vai trabalhar, janela toda fechada. O cérebro emocional, o sistema límbico, precisa da aurora matinal, acordar cedo, abrir todas as cortinas, todas as janelas, olhar para o sol, se possível caminhar seis horas da manhã. Os efeitos dos raios solares da manhã na retina e no cérebro emocional. Tem muito mais suicídio nos países nórdicos, onde a noite é muito longa e o dia mais curto, do que nos países do Sul. Então, a energia da luz, reprograme o seu relógio biológico, durma cedo e acorde cedo. E a hora que acordar cedo, escancare todas as janelas, cortinas. Primeiros raios do sol da manhã mandam embora a depressão. O cérebro precisa da aurora matinal. Nutrição: O corpo humano, tirando as células dos neurônios, tirando os neurônios, células do sistema nervoso, ele se troca cada quatro, cinco meses. Nós estamos em fevereiro, em julho nós estamos zero quilômetros. Trocou tudo, cabelo, unha, pele, mucosa, sangue, osso, troca tudo. Como é que troca, não é? Troca por três energias: a energia ancestral do papai e da mamãe, na formação da célula; a energia respiratória, aquilo que eu respiro; e a energia vinda dos alimentos. Então, a nutrição é fundamental. Como é que forma a bainha de mielina do neurônio? Ela é lipoproteica, ômega 3. Nós não produzimos ácidos graxos de ômega 3, então nós precisamos adquirir pela nutrição esses ácidos graxos para o cérebro emocional. É peixe, peixe de águas profundas; espinafre; agrião, ou seja, a nutrição nos ajuda, através da nutrição, diminui o estresse, ansiedade e depressão. O barato do corredor; quem faz ginástica tira de letra os problemas da vida. E infelizmente, a nossa vida nos leva sempre ao sedentarismo. Nós passamos grande parte do dia sentados ou no trabalho, ou no carro, ou no ônibus, ou na escola, tudo, e ainda com a perna dobrada, e a circulação vai para a cucuia. Tem que esticar a perna. Então é preciso tirar uns 40 minutinhos para caminhar, caminhar, caminhar. Movimentar o corpo. Como é que o sangue, o oxigênio vai até a ponta do pé? Como é que ele chega lá? Tem uma bombinha, a bombinha é o coração. E para voltar, como é que ele volta? Tem bombinha na ponta do pé? Não tem. Como é que ele volta? Pela contração dos músculos. A coisa mais importante é melhorar a musculatura da panturrilha. Todo dia, tem que fortalecer a panturrilha. Porque é para melhorar o retorno venoso, a necessidade vital do movimento. Para o perfeito funcionamento do corpo, o corpo necessita de movimento, mas movimento ordenado, sem sacrifícios, desde que o prazer o acompanhe. O perfume da natureza, o frescor da brisa, as cores do dia, transforma o esforço em um conjugado de movimento, mentalização e espiritualidade. A essência da vida é o movimento. O ponto mais vulnerável da falta de movimento é o coração. Quem mais sofre com a gente não mexer o corpo, com vida sedentária é o coração, que é a principal causa de morte no mundo. É ele que mais sofre, juntamente com a circulação sanguínea. O coração é o alicerce da vida e é o musculo que deve ser induzido a movimentar-se. Se não for exigido pelo movimento, ele vai se tornar ineficiente. Nós precisamos fortalecer o coração, que é o que faz todo o sangue circular. E para fortalecer o coração, é caminhar. O movimento melhora a vida das pessoas em todos os aspectos: a pele rejuvenesce, porque melhora a circulação; a pessoa dorme melhor, e o sono é fundamental para recuperar. Você tem um sono bom, uma noite bem dormida, você acorda melhor, rejuvenesce, recupera o organismo; alimenta-se melhor, o sangue circula melhor e melhora o desempenho sexual. Sedentarismo: as pesquisas comprovam que a inatividade pode ser tão danosa quanto fumar um maço de cigarros por dia. O cigarro mata no mundo, 3,4 milhões de pessoas por ano, no mundo. Vida sedentária mata 4 milhões. Vida sedentária mata mais que o - Não é pra começar a fumar, mas é para não fumar e caminhar. Envelhecimento saudável: As pessoas estão vivendo mais. Mas precisa viver mais com qualidade de vida. E quando é jovem, pode judiar à vontade, que o organismo aguenta. Mas lá na frente vai aparecer os problemas. Então... Nos Estados Unidos 85% dos idosos têm algum problema de saúde. Sendo mais comum artrite, seguida de pressão alta, doenças cardíacas e depois diabetes. O envelhecimento é influenciado por fatores genéticos e pelo estilo de vida. E os bons hábitos levam ao prolongamento da juventude.

Acupuntura: Aliás, vale a pena estudar um pouquinho e fazer acupuntura. Acupuntura não é atividade médica. Acupuntura é atividade multiprofissional. Como é que age a acupuntura? Como é que eu produzo aquelas endorfinas? Posso tomar um remédio, um copo d’água, injeto, ou correr, produzir as endorfinas, ou acupuntura. Quando eu pego aqui IG4 e manipulo com a agulhinha, eu tenho uma ação local, você tira a dor. A pessoa está com dor nas costas: você põe lá a agulhinha, faz uma analgesia. Tem uma contratura muscular aqui na coluna, põe a agulhinha, tira a contratura muscular. Aumenta a concentração de sangue, você põe uma ventosa ali também. Então melhora a irrigação, tem uma ação antiinflamatória, melhora a oxigenação, diminui a dor e tem uma ação central. Quando eu manipulo aqui um determinado ponto, age no cérebro. E eu estou ali manipulando, a fabriquinha de mediadores químicos está andando. Efeitos da acupuntura: ativa o circuito neurofuncional, trata ansiedade e depressão, age na hipófise e hipotálamo: liberação de endorfinas. E na glândula supra renal, o hormônio adenocorticotrófico, que tem ação cortisois antiinflamatória.

Higiene do sono: É preciso dormir bem. Se preparar par ao sono. O que normalmente a gente faz? Chega em casa tarde, aquele jantarzão, não é verdade? E depois daquele jantarzão, cama. “Eita, mas sonho ruim!” Cada pesadelo, não é verdade? Tudo que não devia sonhar, acontece. Por que acontece isso? Porque quando você está dormindo, o organismo está funcionando. E o sangue precisa ir para o cérebro. Se eu estou com a barriga cheia, se eu comi demais e já fui deitar, o sangue tem que vir para fazer a digestão. Não dá para fazer as duas coisas ao mesmo tempo. Mas vai dar pesadelo, vai dormir mal, vai acordar no outro dia pior ainda. Então, a refeição da noite precisa ser mais leve. Não é dormir sem comer, não! Mas é alimentação mais leve. A pessoa que mexe o corpo, ela chega à noite, ela dorme melhor. A gente chega de noite com o corpo descansado, porque não fez nada, com a cabeça agitada. É preciso inverter: cansar o corpo e limpar o cérebro. A insônia é um problema hoje da epidemia moderna, pelo [ininteligível], das mais conceituadas instituições educadoras do sono, coloca que hoje no Brasil de cada 10 adultos, três tem o problema de insônia. Isso tem até problema de casal, viu, André? Tenho um amigo que brigou com a mulher porque ela dormia muito bem e ele tinha insônia. Então, ele achava que era falta de solidariedade. O estudo da Universidade de Chicago mostra que a falta de sono afeta a produção de leptina e aumenta a necessidade de gestão de carboidratos. Então, a pessoa que não dorme bem acaba também comendo demais. Aqui, outras pesquisas que mostram que quem pratica regularmente musculação para obter aumento de resistência dormem mais rapidamente e acordavam menos vezes durante a noite. Então, quem faz ginástica dorme mais rápido e tem menos interrupção do sono. Os estudos com os idosos mostrou que é perfeitamente possível você ter um envelhecimento saudável, especialmente com a ginástica. Encerrando, mais duas. Meditação: O que é que normalmente acontece quando a gente tá muito estressado? Pensamentos recorrentes, aqueles maus pensamentos que vem toda hora. O que é a meditação? Descansar o cérebro. Tá sentado usa a mão, quietinho e repente o mantra: Pai Nosso, Pai Nosso ou um, dois, três. O nome do filho, do namorado, da namorada, enfim, pode escolher. Repete o mantra, não tem importância. Desviou, não tem nada, volta de novo. Qual a lógica? A lógica é diminuir a irritação cortical. O cérebro cansado, irritado, você perde a memória, capacidade de armazenamento de informação. Vai perdendo, decide errado, fica irritado, precisa descansar o cérebro. Então, a meditação, 10 minutinhos, no ônibus, em casa, qualquer lugar, só não pode fazer na sala de aula, mas descansa o cérebro. O amor é uma necessidade biológica. Qual o maior órgão do corpo humano? Pele, pele. Precisa pegar, tocar, passar a mão, agarrar. O amor é uma necessidade biológica. Aliás, é impressionante. Pega caso que a pessoa tem um cachorro, um cachorro, ela toma menos remédio. Que precisa ter um afeto. O ser humano precisa de afeto, ter acolhimento. O amor é uma necessidade biológica. Manter laços de amizade, de companheirismo, de solidariedade. Criar esses laços, mantê-los e finalmente a grande conexão. É muito difícil. Um dia desse eu falei isso e foi até mal interpretado. Mas é muito difícil, especialmente no ocaso da vida, você vai chegando mais para a frente, o entendimento da vida e a saúde psíquica e não entrar em depressão, você vendo que as coisas estão caminhado mais para o final. Quando se é jovem, tudo está começando. Essas coisas não estão na agenda. Mas o fato é que... Imagina a pessoa com 70 anos de idade. Qual é a expectativa de vida média? 73 no Brasil. Quem passa dos 30... É mais de 80, porque sai da vulnerabilidade juvenil. Então vamos ser generosos, é 80. Quem está com 70 só falta 10. E tudo vai piorar. O coração vai fraquejar, a osteoporose vai aumentar, a visão vai diminuir, tudo vai complicando. Então, é uma parada. Tem um filme que o sujeito nasce idoso e vai... Não é isso? Alguém já viu esse filme? É preciso entender, ver a vida de maneira mais holística. Quem tem fé, fé supera as dificuldades mais facilmente. Nós, ocidentais, lidamos muito mal com a morte. Os orientais, eles enxergam a morte não como uma tragédia. O ocidental meio que é uma coisa trágica. Tem um livro de um psiquiatra francês, que ele diz o seguinte: “Nós sempre imaginamos assim: ‘se eu fosse fulano de tal, eu estava’... Aquele dinheirão, aquela belezura dela, tal, eu estava com tudo. Não, você não teria os seus problemas, mas teria os dele”. Então ele fala: Ernest Hemingway, o homem das grandes aventuras. Suicídio: vocalista da banda Nirvana, um dos mais famosos do mundo, suicídio; Marilyn Monroe, mulher mais bela e desejada da sua geração, suicídio; Napoleão Bonaparte, cruzou a Europa com a sua espada, foi o homem mais poderoso do mundo, disse aqui na Ilha de Santa Helena, exilado Napoleão, “Não conheci em toda minha vida um dia de felicidade”. Não é o poder, não é o dinheiro, não é a beleza que faz as pessoas mais ou menos felizes. Então, um entendimento da vida, a chamada grande conexão, a solidariedade, a sua inserção na sociedade, servir aos outros, enxergar a vida sob o prisma da eternidade. Uma rainha de Portugal, chamada Rainha Leonor de Assis, que foi no século das grandes navegações, século XVI, a mulher mais rica da Europa. Ela está enterrada no mosteiro em Portugal. E ela pediu para que pusesse o seu túmulo em um local de passagem, para que todos pisassem sobre a sua campa, para lembrar a pequenez das coisas materiais frente à grandeza da eternidade. Então, a grande conexão, a visão melhor do mundo. Mas quero deixar um grande abraço, desejar ótimos estudos e dar os parabéns, porque nós, da área da saúde, temos esse privilégio de trabalhar com as pessoas. Bons estudos!