Discurso - Fábrica de leite 20132502

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Discurso - Fábrica de leite

Local: Itapetininga - Data: 25/02/2013


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Boa tarde a todas e a todos. Quero saudar o prefeito de Itapetininga, o prefeito Luís Di Fiori; Dalva Di Fiori, presidente do Fundo Social de Solidariedade; o Iran Júnior, vice-prefeito; vereador André Luiz Bueno, presidente da Câmara; missionário José Olímpio, deputado federal; deputados estaduais, Maria Lúcia e Rodrigo Moraes; Dr. Luiz Carlos Quadreli, secretário de desenvolvimento econômico; deputado Edson Giriboni, secretário de saneamento de recursos hídricos; Dra. Mônika Bergamachi, secretária da agricultura; deputado Davi Zaia, secretário de gestão pública; prefeito de Tietê, o Manoel de Carvalho; de Alambarí, o Hudson; Equadra, Carlos Vieira; Saracuí, o Fábio; Frans Borg, diretor presidente da Castrolanda; Renato [ininteligível], diretor presidente da Batavo Cooperativa; Luciano Almeida, presidente da Invest de São Paulo; tenente coronel [ininteligível] Forte Júnior, comandante da região; do Brás, Agostinho, presidente da Federação dos Trabalhadores na agricultura do estado de São Paulo, a Fetaesp; vice-prefeito; secretários municipais; conselheiros da Batavo e da Castrolanda; empresários; trabalhadores; cooperativistas. É uma grande alegria estarmos hoje aqui juntos, primeiro por se tratar de uma cooperativa, a Constituição Brasileira ela coloca de maneira muito clara que nós devemos apoiar e estimular o associativismo e o cooperativismo que se constitui das maneiras mais justas de desenvolvimento econômico que irriga a economia e distribui renda. Meu tio, professor João Alckmin, já falecido, foi presidente da Ocesp, aqui em São Paulo, e da OCB, da Organização das Cooperativas do Brasil, e nós somos um entusiasta de Fiori, do cooperativismo. Itapetininga está recebendo duas excelências, duas das maiores cooperativas do país, sinônimo de excelência no trabalho que é a Castrolanda e a Batavo, duas grandes cooperativas. E pra gerar emprego, empregos diretos, 250 empregos, empregos indiretos, 1.250 empregos; a pecuária de leite é uma excelente alternativa pra pequena e média propriedade também, alternativa muito positiva. Isso vai ser mais uma alternativa para Itapetininga que é o primeiro PIB agrícola do estado de São Paulo, a mais importante cidade também conhecida do estado de São Paulo. Ainda pra produzir, e aqui industrializar produto lácteo, eu vi estudos no Estados Unidos de uma grande redução de câncer de estômago, e aí foram verificar o que justificava. “Puxa, caiu tanto o câncer de estômago”. Então, estudaram, estudaram, aumento do consumo de queijo. Os produtos lácteos são perfeitos, perfeitos, são o melhor remédio que existe, é queijo e iogurte. Tem pessoas que ainda tem alguma intolerância ao leite, né, mas ao iogurte e ao queijo é muito difícil, é um mata-borrão, é uma proteção pra mucosa, né, que protege, alimento perfeito, né, perfeito. Então, é uma grande alegria, um grande investimento, na beira da SP-250, 127, vocês estão na melhor esquina do Brasil, ao lado do Paraná, ao lado de São Paulo, nas margens SP-127, do lado aqui a Raposo, a Castelo Branco, uma região privilegiada, terra do trabalho, né di Fiori? Terra do trabalho, uma região de grande desenvolvimento. Então, conte com a gente, ficamos muito felizes, somos parceiros de quem investe em São Paulo, agência investe em São Paulo, Luciano Almeida, o Quadreli, estão aí pra tudo andar mais depressa, questões ambientais, aqui acesso já tá na porta da rodovia, mas questões tributárias. Tivemos o ano passado aqui um grande investimento da Duratex, da madeira, do MDF, e hoje na área do alimento, dos produtos lácteos. E aproveitando o carreto pra fazer economia, nós já estamos liberando aqui, Di Fiori, tá aqui também o Jairo da Codasp, a Mônika Bergamaschi, Itapetininga é o terceiro maior município em extensão territorial, não é isso? Do estado de São Paulo. É fácil guardar, os três primeiros são com a letra “I”, o maior município do estado em extensão territorial é Iguape, quase 2.000Km². O segundo é? Itapeva. Tem até Tarzan, olha aí. O terceiro é? Itapetininga. Então, Ângelo, você e o Jairo, sentam aí com o Di Fiori, pra gente fazer um grande programa de melhor caminho para Itapetininga e pra região, deixar as estradas em harmonia. Quero saudar também o prefeito Roberto Comeron, de Itapeva, está aqui também conosco, dizer que Itapetininga vai ter o Poupa Tempo, Poupa Tempo e o novo DETRAN, isso vai beneficiar também toda a região. Estamos entregando também a SP-129, concluído já o trecho grande aqui em Itapetininga da rodovia, a entrega do primeiro posto de bombeiros do 4º. Subgrupamento, também aqui para o município, o melhor caminho do bairro Areião, a vicinal José Asmir e também ampliando as vagas do VENCE. O VENCE é o curso integrado. O aluno que fizer o ensino médio, o VENCE ele faz em tempo integral, quando ele terminar o ensino médio, ele tem dois diplomas, o diploma do ensino médio e o diploma de técnico. Aqui nós temos técnicos em farmácia, química, eletrotécnica, estética. Então tem vários tipos de curso. E, além disso, temos uma ETEC agrícola, muito boa, e uma FATEC, uma faculdade de tecnologia. Ou seja, investir na infraestrutura da região. Mas eu quero dar os parabéns aqui, à Itapetininga, pela conquista. Dar os parabéns à Itapetininga pela conquista, dar os parabéns a Castrolanda e Batavo, eu sou filho de veterinário, e meu pai que era um fã do Jersey, eu perguntei, ele falou: “Não, é mais holandês, mas tem Jersey também.” E agora tem jersolanda, que é a mistura do Jersey com o holandês, [ininteligível], dá um bom resultado. Eu, em Pindamonhangaba, a família, tinha lá o sitiozinho, e criava Jersey, aquele tourinho, e o meu vizinho, holandês, tudo registrado, TO, transplante de embrião, gado importado dos Estados Unidos, do Canadá, e o tourinho Jersey, lá de casa, pulou a cerca e pá, na vaca premiada do compadre Zé Ernesto, meu compadre. Aí o Zé Ernesto ficou uma arara, falou: “Compadre, esse negócio de criar Jersey é quem não tem competência pra criar holandês e tem vergonha de criar cabrito.” Mas o fato é que o Jersey é a melhor transformação em alimento e leite, e é muito sólidos, muito sólidos. Então se é pra fazer queijo, precisa muito menos leite, porque ele tem mais sólidos. Então é uma boa alternativa pra indústria de produtos lácteos. E vamos incentivar o leite, viu Fiori? Porque socialmente é muito emprego. Leite gera muito emprego, mão-de-obra intensiva. Queria também cumprimentar o Paulo Rangel, presidente da CCR. Até junho deste ano, nós vamos tá totalmente duplicada a Raposo Tavares, de Capela do Alto até Araçoiaba da Serra, e já está duplicada até Sorocaba. E até junho do ano que vem se possível a gente até antecipa um pouco, de Itapetininga até Sorocaba, tudo duplicado. E vamos licitar, esse ano, de Itapetininga até Ourinhos, 204 km, nós vamos licitar, pra poder melhorar a Raposo Tavares. Então, melhorando a infraestrutura da região. Quero deixar um grande abraço... Também conversamos com o prefeito sobre saúde, nós já estamos... Liberamos o ano passado R$ 6,5 milhões pro prédio, pra reforma do hospital regional, estamos liberando quase R$ 1 milhão por mês pra custeio, Di Fiori pediu um apoio maior, e tem um prédio do lado, que tá em mau estado, que precisa ser feito um prédio novo, e nós já estamos estudando naquele ambulatório ter também leitos para dependência química. Nós queremos fazer de São Paulo um estado exemplo pro Brasil, pra tratar essa epidemia, que lamentavelmente o Brasil vive hoje, de ser o maior consumidor de crack do mundo e o segundo maior consumidor de cocaína do mundo. É triste, né. Muito triste. Então, de um lado, temos que agir nas fronteiras brasileiras que estão abertas, você tem que combater o tráfico. Nós produzimos leite, cana, laranja, madeira, não produzimos cocaína. Como é que entra, né? E de outro lado, tratar quem tá doente. Porque dependência química é doença e precisa ser tratada, atinge muito jovem, jovens de famílias mais pobres, de menor escolaridade e de famílias desestruturadas. Nós precisamos dar a mão [ininteligível] população. Só no Carnaval, nós internamos em São Paulo 49 jovens, durante o período de Carnaval. E casos assim, impressionante, uma filha, o pai morando na rua, dependente de crack, com 62 anos de idade, a menina pegou o pai, levou pra casa, deu um calmante pra ele, ele deu uma cochilada, ela levou no CRATOD e nós internamos, e o pai tá ótimo. Tá quase já saindo do hospital. Então nós vamos estudar com o Di Fiori, ele tem o CAPSAD, que é a parte ambulatorial, e a gente já, de repente, no prédio novo amplia ali os leitos de retaguarda pra região, pra poder dar oportunidade pros nossos jovens se recuperarem. E com os produtos lácteos da Batavo e da Castrolanda, vamos [ininteligível]. Parabéns Itapetininga.