Discurso - Inauguração do Corpo de Bombeiros de Registro 20131409

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Discurso - Inauguração do Corpo de Bombeiros de Registro

Local: Registro - Data:14/09/2013

MESTRE DE CERIMÔNIAS: De todos os paulistas, Geraldo Alckmin!

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Bom dia, bom dia a todas e a todos, estimado presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo, deputado Samuel Moreira, prefeito anfitrião, prefeito Gilson Fantin, Maria Amélia Fantin, saudando aqui todas as mulheres, deputado André do Prado, secretários de estado, Edison [ininteligível] Visaya, prefeito de Jacupiranga e presidente do CODAV, o Macedo, Pariquara Sul o José Carlos, Ilha Comprida o Odécio, El Dorado o Eduardo, Juquiá o Merci, Pedro Toledo o Serginho, que preside o com saúde, cajati o Coga, tenente coronel José Antônio Sanches Milaco, comandante da região. Tenente coronel Wagner Silvério de Souza, comandante do corpo de bombeiros, do 6º grupamento, tenente Alexandre de Oliveira Lucena, comandante do corpo de bombeiros de Registro, doutor Felipe Pereira, delegado da primeira DP de Registro, Jairo Machado, presidente da CODASP, Jonas Vilas Boas, diretor da (Ininteligível), Luiz Carlos Rashid, diretor da CDHU, Linda SABA, saudando aqui todas as companheiras, o Amarildo, secretários municipais, lideranças aqui da comunidade, entidades de classe, lideranças de bairro, amigas e amigos. Uma grande alegria, nós descemos no belo aeroporto daqui de Registro, que está excelente, hoje estamos entregando aqui esse novo corpo de bombeiros, novinho, e com dois auto tanques, um auto bomba, um resgate também novinho e vai receber até novembro, mais um auto bomba, é isso, Comandante? Mais um auto bomba. Tem também 6 lanchas, então vai ser um dos mais bem equipados corpo de bombeiros para atender a região. Eu me lembro, Samuel, prefeito na década de 70 em Pindamonhangaba, minha cidade natal, e Pinda não tinha bombeiro e houve um incêndio na pastelaria do chinês, tinha uma pastelaria no centro da cidade. Então um sábado, um sábado como hoje, assim, de manhã, eu tava na prefeitura sozinho, trabalhando, tocou o telefone, eu falei: engraçado, quem é que sabe que eu tô aqui? Atendi o telefone? Olha, é urgente, pegou fogo, tá pegando fogo a pastelaria do chinês, era só botijão de gás que voava, né, aí não tinha bombeiros eu liguei lá pra Taubaté, mas até chegar a bombeiro ia levar quase uma hora, aí corri lá do DSM, departamento da prefeitura, nós tínhamos comprado um caminhão tanque, um carro-pipa, e falei:Tem água aí? 'Ah o carro pipa ta cheio d'água'; aí falei então vamos dar uma de Steve McQuen, né, não sei se vocês viram aquele filme “O Inferno na Torre”, que o mocinho é o bombeiro, é o Steve MacQquen, e aí falei vamos lá apagar o incêndio, vai dar certo. Aí pegamos aquele caminhão cor de abóbora novinha, carro-pipa, fomos lá a cidade inteira assistindo o incêndio, porque era sábado, o pessoal vem pro mercado, era perto do mercado então todo mundo assistindo, quando nós chegamos com o carro-pipa o motorista e eu foi só aplauso né, aí que me caiu a ficha, eu perguntei pro motorista: “Você sabe mexer nesse negócio da água aí?” Ele falou: Não, doutor, eu não sou motorista desse caminhão” e aí que falei nós vamos passar um vexame aqui, né? Mas como Deus é generoso, eu olhei tinha uma loja de dois turcos em Pinda, o seu Nagib, chamava Casa Dois Irmãos, loja de armarinho, eu olhei na porta da loja de armarinho estava o Pé de Sapo, Pé da Sapo era aquele funcionário da prefeitura que é tudo, mecânico, encanador, eletricista, resolve tudo. Aí eu chamei, Pé de Sapo vem ajudar aqui, aí foi lá debelamos o incêndio. Continuamos sem bombeiro, dois meses depois pega fogo na zona, tinha uma casa de tolerância lá em Pinda, pegou fogo na zona, aí eu resolvi, não tem jeito, vamos ter que chamar o bombeiro mesmo, aí fizemos um convênio com o governo do estado e aí nasceu o corpo de bombeiro, mas levou tempo pra sair o bombeiro. Mas espero que o bombeiro aqui em Registro só seja preventivo que não tenha que salvar ninguém, que ele só faça educação, prevenção e pedir ao nosso coronel, ao nosso tenente, essa é uma das instituições mais admiradas do Brasil, é o nosso corpo de bombeiros. Parabéns. Depois estamos aqui com o Poupatempo, que é serviço público de qualidade, Gilson, então vai beneficiar a cidade e toda a região, então o Poupatempo facilita a vida das pessoas e muito hoje eletrônico, por exemplo, vai ter aqui tenho também CIRETRAN, né? Tudo junto. Agora o Poupatempo já vem com o novo DETRAN, então vai facilitar a vida das pessoas, por exemplo, o jovem, ele tira a carteira provisória, se ele não teve nada grave, depois de um ano ele tira a definitiva. Ele tinha que ir três vezes no Poupatempo e uma vez no banco. Quatro vezes ele ia sair de casa, gastar dinheiro, perder tempo para tirar a CNH definitiva, agora um ano depois recebe uma cartinha em casa: “Parabéns, você tem direito a CNH definitiva. Recolha a taxa tanto no banco”. Pode fazer até pela internet e recebe a CNH em casa, não precisa ir nenhuma vez mais no Poupatempo. Então, Registro vai receber o Poupatempo a nova Ciretran, vai receber o Poupatempo o novo Detran. Depois as obras da Sabesp. Até o final de ano que vem nós teremos todos os municípios do Vale do Ribeira. Todos, com exceção do litoral, cidades 300%: 100% de água tratada, abrir a água a torneira e beber. Não precisa comprar água nenhuma, é abrir a água da torneira e tomar, água potável, pura. Então 100% de água tratada, 100% de esgoto coletado e 100% tratado. Aliás, eu vi no Globo Ecologia, há uns dois meses atrás uma matéria dizendo o Brasil, no ritmo que está indo vai ter a universalização do saneamento em 2122. O estado de São Paulo terá o interior do estado universalizado o ano que vem, 2014, 2014.

[APLAUSOS}

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: O litoral 2016 e a região metropolitana de São Paulo, 2019. Nós vamos ser o primeiro estado brasileiro a universalizar o saneamento. Depois colocou bem aqui o Samuel, a questão de saúde. Nós fizemos um projeto com financiamento no do Banco Interamericano de Desenvolvimento, que é completo, ele vai desde as UBS, André do Prado, todos os 15 municípios vão ter a Unidade Básica, todos, todos, todos. Equipada, construída com recurso do estado. Então o atendimento lá na ponta, no bairro. Depois, resolve 90%. Não resolveu, o atendimento secundário que é o AME são as especialidades, então nós vamos ter o AME e a Rede Lucy Montoro aqui na região para as pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida, com dificuldade (ininteligível) de locomoção, reabilitação.

APLAUSOS.

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Atendimento secundário, o Samuel citou os dois CAPs pra parte de saúde mental. Infelizmente hoje tem muito jovem com problema de dependência química, especialmente álcool e crack, então é doença, isso precisa ser tratado como é apendicite, como é pneumonia, tratamento. Aliás é comum você verificar, pessoal fica as vezes morando na rua, né, e consumindo crack, então se fala “puxa, mas não estuda, não trabalha”, isso faz parte da doença, o primeiro sintoma da dependência química é uma atitude à motivacional, a pessoa não tem motivação pra nada, não precisa estudar, não está nem aí. Não precisa trabalhar, não tem motivação, isso faz parte da doença, então precisa ajudar, nós precisamos dar a mão e tratar. O que puder o CAPs, nós vamos ter dois CAPs AD, AD quer dizer álcool e droga. Vamos recuperar, já está terminando o projeto reformar e ampliar o hospital de Pariquera e fazer o hospital...

APLAUSOS.

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: E fazer o hospital de alta complexidade aqui em Registro. Então é completo, vai desde da UBS, passa pelo atendimento secundário, AME rede Lucy Montoro e chega no atendimento terciário que é a rede hospitalar de média complexidade e de alta complexidade. Tudo de graça. Há dois modelos de saúde no mundo, o modelo europeu saúde é direito. Há um filme do Michel, qual o nome dele, aquele o Michel Moore, Michel Moore, chama SOS Saúde, mas o SOS é em dólar, em dólar. Então ele mostra dois modelos, Estados Unidos saúde é business, é negócio. Então (ininteligível) vai lá e perdeu três dedos, “quanto é que custa pra implantar o dedo?” “ah isso aqui custa 15 mil dólares, 12 mil dólares”, tudo mais barato implanta um dedo, tudo negócio. Europa, saiu um casal com uma criança no colo de um hospital, aí o repórter pergunta “quanto que você pagou para dar a luz, hospedagem?”, ele não entende a pergunta porque não passa pela cabeça de um europeu que você precise pagar para nascer, pagar para ser tratado, pagar para morrer, é inacreditável isso, ninguém consegue entender a pergunta. Aí o Michel Moore entra dentro de um hospital e vê um caixa “ah, alguma coisa estão cobrando aqui”. Aí ele vai lá e pergunta o que quê é, eles falam “não, é que essa senhorinha foi operada e ela mora longe e não da para ela pegar um ônibus e ir de ônibus, ou pegar o metrô então nós estamos dando um dinheiro para um táxi colocá-la dentro de casa para ela ir com segurança”, conceito integral de saúde. Então é, nós vamos trazer para cá um sistema completo, né, que já existe e boa parceria aqui com saúde, boa parceria porque aqui a comunidade se envolvendo, e tudo gratuito, tudo pelo SUS. E resolutividade, né, resolver os problemas aqui. E vai dar muito emprego, hoje o setor terciário é o que mais emprega, mais emprega.

APLAUSOS.

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Agricultura, setor primário emprega, mas ele mecaniza muito, indústria secundária também emprega, agrega valor, é importante, mas robotiza muito. O setor de serviços, que é terciário, educação, saúde, comércio, turismo, isso é impressionante, grande fonte de postos de trabalho, muito emprego na região. Depois na educação temos duas creches aqui com o Gilson e vamos fazer em todos os municípios, todos, todos, todos, o programa Creche Escola para as mamães poderem deixar as crianças. Depois teremos também aqui, o Samuel colocou bem, a Unesp está expandindo aqui, já criou mais uma engenharia, primeira agronomia, né, agronomia e agora engenharia de pesca. Temos também aqui, está vindo pra cá o Museu da Língua Portuguesa, já está aqui, vai... Que está aqui.

APLAUSOS.

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Nós vamos... Já tem 14 mil visitas agendadas. E pra encerrar e homenagear aqui o Museu da Língua Portuguesa uma historinha do Monteiro Lobato. Mas antes eu não posso Gilson, passando aqui pela sua bela cidade, e como a região melhora e vai melhorar ainda mais, não tenha a menor dúvida, vai ser o cartão de visita de São Paulo, entrada de São Paulo, né? Vamos trabalhar com todo empenho, e você vai marcar a sua gestão, vai ser o município, né, da política.. APLAUSOS.

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Mas queria agradecer o Samuel, o Vale do Ribeira aqui a região aqui todo estado é muito inteligente, que elegeu um dos melhores homens públicos, mais preparados como deputado, e a gente deve destacar os bons exemplos, bons exemplos. Então muito obrigado a região pelo nosso grande presidente que é o Samuel, grande parceiro para o desenvolvimento de São Paulo. APLAUSOS.

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Mas o Museu da Língua Portuguesa é o terceiro, hoje, museu mais visitado do país. É impressionante, não é? Terceiro museu mais visitado. Mas Monteiro Lobato tem um conto, Maria Amélia e Gilson, chamado “Colocador de Pronomes”. Então ele conta a história de um jovem apaixonado por uma moça de nome Helena. E no tempo antigo - o jovem era funcionário de um cartório e Helena, filha de um coronel, não era um coronel como hoje, um militar. Naquele tempo, coronel era coronel, o chefe político, não é? Então a moça se apaixona pela Helena... o rapaz, passa em frente da casa da amada e joga um bilhetinho: “Helena, amo-lhe”. E por azar do rapaz quem pegou o bilhete não foi a Helena, foi o coronel. Coronel Tributino Figueiredo, um homem duríssimo! Pegou o bilhete, já estava de olho no rapaz, aquele tempo antigo, namoro só na saída da igreja, de longe... Aí pegou o bilhete e mandou chamar o rapaz. Aí disseram: “Olha, não vá, é perigoso”. Ele falou: “Não, olha eu vou e vou confirmar que o bilhete fui eu que assinei, eu que fiz o bilhete”. Está bom. Foi e o coronel mandou entrar, pegou o bilhete, mostrou o bilhete “Helena, amo-lhe”. “Foi o senhor quem escreveu esse bilhete?” “Perfeitamente, Coronel. Fui eu quem escrevi” “Olha, moço”. Abriu a gaveta, tirou um 38, um revólver, pôs em cima da mesa e falou: “Olha, as questões de honra da família eu resolvo à bala, ou casa ou morre!” “Olha, Coronel! Puxa, que beleza! Que maravilha! Tudo que eu quero é casar com a sua filha! Dizem que o senhor é um homem muito duro, muito frio, mas vejo que é uma injustiça: o senhor é um homem de bom coração, muito bom!”, Aí ele gritou lá para dentro: “Mariazinha, venha cumprimentar, teu noivo” “Coronel, é Helena” “Não senhor, lê aqui:'Helena, amo-lhe': terceira pessoa! Se você amasse a Helena teria escrito 'Helena, amo-te'. Você escreveu 'Helena, amo-lhe', então você não se referia à Helena, você se referia a uma terceira pessoa. Aqui nessa casa, tem a minha mulher” “ O que é isso, Coronel? Imagina!” “Dona Benedita, que está com 90 anos e a Mariazinha” Que era vesga, manquitola e encalhada. Aí, fazer o quê? Casou com a Mariazinha. Por um erro de colocação pronominal. Então, vamos valorizar o Museu da Língua Portuguesa! Região de Registro