Discurso - Inauguração do Fórum da Comarca de São José dos Campos 20121712

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Discurso - Inauguração do Fórum da Comarca de São José dos Campos

Local: Capital - Data: 17/12/2012


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Boa tarde! Boa tarde a todas e a todos. Estimado presidente Ivan Sartori, presidente do Tribunal de Justiça do estado de São Paulo; Prefeito de São José dos Campos, Presidente do Conselho de Desenvolvimento da Região Metropolitana do Vale, da serra do litoral, Eduardo Cury; Vice-Prefeito Luiz Antônio Ângelo da Silva; Vereador Juvenil Silvério, Presidente da Câmara; Deputado Federal, Carlinhos Almeida, prefeito eleito de São José dos Campos; Deputado Federal Emanuel Fernandes e aqui também o nosso sempre Deputado Federal, Luiz Benedicto Máximo, cuja filha também é promotora de justiça; Deputados Estaduais, Hélio Nishimoto; e o Deputado Padre Afonso Lobato; o Alexandre da farmácia, que dia primeiro vai tomar posse, fortalecendo aí a bancada parlamentar da nossa região; Dr. José Loureiro Sobrinho, Juiz Diretor do Fórum de São José dos Campos, [ininteligível] quero cumprimentar aqui todos os juízes; Heloísa Arruda, Secretário de Estado da Justiça em Defesa da Cidadania; Arnaldo Hossepian, Subprocurador Geral de Justiça do Estado de São Paulo representando o Ministério Público; Prefeito de Monteiro Lobato, Gabriel Vargas; São José do Barreiro, José Milton; Roseira, Marcos Galvão; Paraibuna, o Vitor de Cássio; André Ceruks, prefeito eleito de Monteiro Lobato; Desembargador Luiz Fernando Sales Rossi; coordenador da circunscrição judiciária, a quem quero saudar a todos os desembargadores; Dr. Júlio Aparecido Costa Rocha, Presidente da OAB, saudando todos os advogados; Dr. João Barbosa Filho, Diretor do Deinter 1; Coronel Custódio Alves Barreto Neto, comandante do CPI 1. Permito uma saudação afetiva a um querido primo que mora aqui em São José, o José Floriano Alckmin Lisboa, vejo aqui também um colega onde eu fui prefeito em Pindamonhangaba, ele era prefeito de Paraibuna, Dr. Joaquim Rico, isso foi em mil, oitocentos... Ou melhor, 1973. Aliás, eu passei por Paraibuna, Dr. Ivan, no sábado, nós estamos duplicando a Tamoios, e a antiga rodovia passava por dentro da cidade, eu era menino e as vezes ia com meu pai no litoral, e a gente parava, ali tinha um bar que se chamava “leite da vaca preta” e em frente era o cemitério. Então, tinha uma placa, assim, eu era menino, eu ficava muito impressionado com aquilo, está lá até hoje, dizia assim: “Nós que aqui estamos, por vós esperamos”. Um dia desse eu... O Padre Afonso Lobato, um dia desse eu fui a missa e o padre perguntou: “Quem quer ir pro céu”? A igreja inteira levantou a mão. “Quem quer ir hoje”? Nem o padre. Saudar aqui todos os servidores da Justiça, amigas e amigos. É uma grande alegria como eu disse o presidente do tribunal. São José dos Campos é uma cidade, presidente, superlativa, essa é a capital da ciência, vanguarda da tecnologia, sétima maior cidade do estado, grande cidade brasileira, centro universitário, parque industrial diversificado, terra da ciência, do mundo jurídico, e recebe hoje um fórum realmente a altura da cidade, as 22 varas vão poder aqui ser instaladas, prevendo inclusive até 30 varas, prevendo já o futuro, um prédio com toda acessibilidade, pessoas com deficiência, mobilidade reduzida, mais moderno, realmente a altura desse trabalho. E foi muito feliz o Eduardo Cury quando aqui ressaltou o trabalho do Poder Judiciário e do Ministério Público e dos advogados, porque a promoção da Justiça ela está na própria essência do estado, e o acesso a Justiça é um fundamento da democracia. Então, é nosso dever trabalharmos juntos pra termos as melhores condições para o bom funcionamento das nossas instituições. O Tribunal de Justiça de São Paulo é um dos maiores do mundo, 348 desembargadores, é um dos maiores do mundo. E o presidente Ivan Sartori está fazendo um trabalho espetacular, no sentido da sua modernização, digitalização, celeridade, para poder servir de maneira melhor ainda a nossa população. E também foi feliz o Eduardo Cury, eu sou suspeito porque o promotor das Américas, José Augusto César Salgado, que fez o decálogo do promotor, é da minha cidade natal de Pindamonhangaba, aliás, o túmulo dele é em frente o do meu pai. Então, toda vez que eu vou ao Cemitério do Santíssimo eu rezo para o meu pai, aproveito também, rezo pro Dr. César Salgado, aliás, eu até o conheci, é até um fato interessante. Eu era prefeito em Pinda, na década de 70, está aqui o Ailton Barbosa Figueira que foi procurador jurídico da prefeitura, e tinha naquela época, Eduardo Cury, um programa de televisão do Silvio Santos chamado Cidade contra Cidade. Aí, fomos lá, ganhamos de seis cidades, ganhamos seis ambulâncias, cada cidade que você ganhava, ganhava uma ambulância, e dava pra uma instituição, e eu torcendo já pra perder, mas não perdia, ganhava sem parar. Aí, tinha que levar uma pessoa ilustre da cidade, então eu convidei o Dr. José Augusto César Salgado, que era do Ministério Público, sujeito distintíssimo, Aí, fomos aquele programa de auditório, as moças todas meio sem roupa e tal Dr. César Salgado ali no meio, aí o Silvio Santos perguntou e ele declinou o seu nome; José Augusto César Salgado, “Tucur” César Salgado. O Silvio Santos ficou meio enrolado e tal, ficou “Tucur” César Salgado. Pois, um homem brilhante, brilhante e o Emanuel Fernandes, que está aqui, fala muito bem, nós homens e mulheres públicas as vezes temos dificuldade de conviver com a crítica, ledo engano, primeiro que a crítica não é pessoa física, ela é a pessoa jurídica, é quem você representa. E Santo Agostinho dizia: “Prefiro os que me criticam, porque me corrijam, aos que me adulam porque me corrompem”. Então, é próprio da democracia esse quadro, aliás, a democracia é repartição de competências, os poderes são separados, distintos, repartição de competências. E harmônicos no seu objetivo final de servir a população a qual nós temos o dever de fazê-lo com honestidade, com eficiência e com dedicação. Mas, hoje é dia de festa e de agradecimento, agradecer aos juízes que lá... O projeto é de 1994, completou maioridade, A obra começou em 2004, a obra... a empresa que terminou é a terceira, a primeira pifou, você tem que abrir nova licitação, tem que encerrar processo, fazer sindicância, fazer perícia, e aí abrir nova licitação, a segunda também não deu conta do recado, foi a terceira que concluiu. Realmente é uma obra do tamanho dessa grande cidade de São José dos Campos. Agradecer aqui ao Ministério Público, magistratura, OAB, nossos parlamentares que representam aqui a nossa região, que defendem os interesses da população aqui da nossa região, os deputados estaduais, deputados federais. Agradecer ao Eduardo Cury, que fez um bom trabalho aqui como prefeito, a Câmara de Vereadores e em especial trazer um abraço muito fraterno ao Dr. Ivan Sartori, que estamos sempre cuidando de interesses comuns do Estado de São Paulo, e sou testemunha da sua dedicação e do seu empenho em fazer o Poder Judiciário paulista que já é dos melhores do Brasil, é um paradigma. Nós temos juízes aqui que são exemplos, para o país, do ponto de vista técnico, do ponto de vista de honradez, do ponto de vista de espírito público, pra fazer o tribunal ainda se modernizar e poder servir melhor a população. Parabéns a todos.