Discurso - Liberação de recursos e investimentos em Vargem 20130808

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Discurso - Liberação de recursos e investimentos em Vargem

Local: Vargem - Data:08/08/2013


ORADOR NÃO IDENTIFICADO: Geraldo Alckmin!

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Boa tarde a todas e a todos! Cumprimentar o nosso prefeito anfitrião, o Aldo Moyses; sua mãe, Dona Lidéia; o presidente da Câmara, vereador Léo Rossi, cumprimentando todos os vereadores; os deputados aqui presentes, o Edmir Chedid, o Feliciano Filho e o Beto Tricoli; os nosso prefeitos de Morungaba, o Beto Zem; de Joanópolis, que liga aqui a rodovia, o Adalto; Pedra Bela, a Roseli Amaral; cumprimentar também o Anderson; o Magrão, prefeito de Pinhalzinho; o ex-prefeito Vilaça; o Clodoaldo Pelissione, superintendente do DER; coronel Marcelo comandante da região; o Dr. Antônio José Pereira, delegado seccional; o Dr. Cleiton Luiz Souza, diretor do DER aqui da região; o Kiko; a Daniela Moreira, coordenadora do programa São Paulo Solidário; os diretores da prefeitura; o grupo Curtindo a Melhor Idade, uma alegria! Os moradores aqui do bairro Guaraiuva; amigas e amigos. Nós estamos vindo lá de Tuiuti, começamos uma obra importante, Bragança, Tuiuti até Amparo, estamos começando uma obra grande, recapeamento, obras de arte, rotatórias, acostamentos para dar segurança, para não ter acidente. Eu fiquei feliz, o Aldo, porque vi o jornal de São José do Rio Preto, nós estamos duplicando a rodovia Euclides da Cunha, ligando Mato Grosso do Sul até São José do Rio Preto, ali tem muito caminhão, trânsito muito pesado. E o jornal do Rio Preto, Clodoaldo, pôs na primeira página a queda do número de mortes na rodovia, caiu a menos da metade, menos da metade. Hoje, a maior causa de morte, chamada causa externa, de morbimortalidade, de doença ou de morte, a primeira é coração e grandes vasos, então tem que andar, mexer o corpo, fazer ginástica, nós vamos mandar, o Aldo, para você, três academias de ginástica aqui para a cidade. Uma você instala aqui no Guaraiuva, e uma instala aqui no Guaraiuva. Todo mundo fazer ginástica aí! A segunda causa de morbimortalidade é câncer, doenças neoplásicas, então nós precisamos ter bons hábitos, aliás, andar já faz bem; depois, parar de fumar. Um dia desses eu fui tomar um cafezinho aí em São Paulo na Praça da República, aí fui pagar o café, tinha uma mocinha no caixa, e aquele monte de maço de cigarro ali no caixa. Aí eu olhei o maço e tinha, assim, uma cinza caindo, aí estava escrito: “cigarro dá impotência”. Aí olhei o maço do lado e tinha uma caveira: “cigarro mata”, aí eu perguntei para a mocinha: “o pessoal lê isso aqui e compra o cigarro?”, falou: “doutor, compra, mas todos querem o que mata”. Então, bons hábitos, a gente diminui as neoplasias. A terceira causa de morbimortalidade não é doença, é causa externa. Era até 10 anos atrás, homicídio, tiro, era homicídio, então São Paulo, infelizmente, tinha 13 mil homicídios por ano no estado de São Paulo, 13 mil. Baixamos para 12 mil, 11 mil, 10 mil, 9 mil, 8 mil, 7 mil, 6 mil, 5 mil, ano passado foi 4.800. Aqui em Vargem, em 2011, de janeiro a junho, primeiro semestre, teve dois homicídios; em 2012, um; este ano, zero; latrocínio zero; crime contra vida, nenhum. Qual é, então, a maior causa externa hoje de morte? É desastre rodoviário, motocicleta, carro, atropelamento, é estrada, então uma viagem, que era para ser um passeio ou trabalho, agricultura, comércio, pessoa que está trabalhando, acaba sendo uma tragédia. Então, nós estamos fazendo um grande esforço em São Paulo, nós já temos as melhores estradas do Brasil, das 20 melhores do país 19 são em São Paulo, mas nós estamos caprichando mais. Então, essa estrada, vocês que pagam, dinheiro público, ficou em 17, é isso, Clodoaldo? 17,3 milhões de reais, são 17,5 km de rodovia que foi recuperada, e nós estamos entregando essa obra. Então, começamos lá, estamos entregando essa e vamos entregar, no mês de outubro, de Vargem até Bragança. Variante, é isso? Como é que chama? Guaripocaba. Variante Guaripocaba. Então, essa entregamos hoje, e até outubro a gente entrega a ligação de Vargem com Bragança, Variante Guaripocaba, mais uma rodovia. O prefeito falou comigo, o Aldo, e o Edmundo também tinha falado, sobre o problema de água e esgoto aqui no bairro. Como, às vezes, tem problema jurídico, problema de legalização das áreas e problema ambiental, o Ministério Público, às vezes ele cria problema. Mas nós vamos, ele vai anotar o Mandeise lá, ele vai anotar, a Dilma... Tem duas Dilmas, viu? Tem a Dilma lá de Brasília e tem a nossa Dilma, que é a presidente da Sabesp. Então, a nossa Dilma vai te receber lá, eu já vou ligar para ela do carro agora e nós vamos buscar uma solução jurídica para a gente poder pôr todo o saneamento básico aqui no bairro de Guaraniuva aqui, está ok? O prefeito, eu vi aqui nos pedidos dele também, que ele pediu uma ultrassonografia, é isso? Aqui não tem ultrassom?

ORADOR NÃO IDENTIFICADO: Não, não tem ultrassom aqui!

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Então, vocês vão ter um ultrassom aí para enxergar tudo! E ele me deixou um pacote, eu vi aqui, dessa grossura de pedido. Nós vamos verificar, você procura depois lá o Rubens Cury, nós vamos verificar o que é que a gente pode ajudar para ajudar. A gente ajudando a prefeitura, está ajudando a população! Eu queria agradecer aqui o deputado Edmir Chedid, que representa aqui a cidade, a região, bom deputado, fazendo um bom trabalho. Agradecer ao deputado Beto Tricoli. Dá um passinho aqui, Beto! Um passinho para frente! O Beto Tricoli, excelente deputado, deputado estadual. E o Feliciano. Cadê o Feliciano? O Feliciano já está lá embaixo. O Feliciano tem um programa de castração, mas pediu para o pessoal de Joanópolis, Adalto, ficar tranquilo que ele não vai castrar nenhum lobisomem, não é, Feliciano? Mas ele tem um programa aí... Meu pai era veterinário, então eu acompanhei muito esse trabalho, é um trabalho bonito. Meu pai dizia o seguinte: quando criança e cachorro gostam de uma pessoa, a pessoa tem bom coração! Quando criança gosta, a pessoa tem bom, bom coração! E, antigamente, se dizia:“fulano, isso é vida de cachorro”. Hoje, vida de cachorro ficou chique! Agora, está chique! Mas eu quero dizer da alegria de estar aqui com vocês, contem conosco, nós estamos indo lá a Serra Negra porque está tendo um congresso dos aposentados, e nós vamos anunciar lá mais um... São Paulo é um estado amigo do idoso, amigo do idoso. Então, nós vamos anunciar lá mais um programa. Lá, já está na assembleia a lei, a lei está lá, espero que aprove até o fim do mês. O ônibus, para você ir daqui para Bragança, ir para São Paulo, ir para Serra Negra, para Lindoia, para Santos, para Pindamonhangaba, o ônibus intermunicipal tem que pagar, o bilhete só é gratuito nas cidades. Não é isso? Então, o ônibus intermunicipal tem que pagar. Nós mandamos uma lei dizendo o seguinte: todo ônibus, são três mil ônibus, 700 linhas de ônibus, todo ônibus do estado de São Paulo tem que deixar dois assentos reservados para os idosos gratuitamente, não paga nada. A única coisa, acima de 60 homens de idade, homem ou mulher, acima de 60, tem que fazer o pedido 24 horas antes, só isso, e na hora apresenta a carteirinha da idade, só. Não precisa ter carteira, nada, é só carteira de identidade. Reserva 24 horas antes e apresenta a carteira de identidade. Então, nós vamos estabelecer todos os ônibus gratuitos, dois lugares, pode ir com uma amiga, filho, neto, namorada, quem quiser! Então, dois sem pagar nada, vai poder viajar, conhecer melhor o estado, conhecer São Paulo melhor, visitar pessoa da família, enfim, é um programa de turismo na melhor idade garantindo a gratuidade nos nossos ônibus. Quem que é idoso? É acima de quantos anos? Quanto? Quanto? Idoso é quem tem pelo menos 10 anos a mais do que nós. Então, se você tem 30... O meu filho, um dia desses falou para mim, teve um negócio de um carro lá, ele foi ajudar, eu falei: “quem era a pessoa”? Ele falou: “Ah, era um tiozinho”. Quarenta anos já para ele é tiozinho! Quando chega nos 40, é a partir dos 50. Quando chegar nos 50, é a partir dos 60. Quando chegar nos 60, como eu, é a partir dos 70. Quando chegar nos 70, é a partir dos 80. Fernando Henrique disse que a vida começa aos 82, ele está com 82, namorada de 37, não está fraco, não! Ou seja, então idoso é quem tem 10 a mais do que nós. Nós vamos sempre empurrando.

ORADOR NÃO IDENTIFICADO: O Vilaça disse que é só com 90.

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Aí, o Vilaça diz que idoso é a partir dos 90. E está subindo! No Império Romano, as pessoas viviam 25 anos de idade. No Brasil do século passado, 1940, a expetativa de vida média no Brasil era 43 anos de idade, porque a mortalidade infantil era muito alta, morria muita criança, e não tinha antibiótico, morria de gripe. Hoje, no Brasil é 73; São Paulo é 75, média, passou dos 30, sai da vulnerabilidade juvenil porque morre muito jovem em fim de semana! Droga, tiro, desastre. Então, passou dos 30, escapa desse risco maior chamado vulnerabilidade juvenil, vai para mais de 80. E quem vive mais, homem ou mulher? Mulher! Por que é que as mulheres vivem mais? Bons maridos? As mulheres vivem em média cinco anos a mais do que nós, homens, em média, cinco anos. Um dia desses eu fui no centro da terceira idade na Vila Prudente, em São Paulo, dei lá uma palestra e tal, tinham 200 pessoas, tudo acima de 80, só mulher, os homens já tinham morrido todos! E o clube chamava “As sapecas”. O fato é que as mulheres realmente vivem mais porque a primeira causa é coração. Mulher tem menos infarto porque os hormônios femininos, estrógeno e progesterona, protegem o sistema cardiovascular. Se for no INCOR agora, 10 leitos, sete homens. Depois da menopausa, diminui um pouquinho, mas mantém ainda uma grande proteção. A segunda é câncer, essa não tem distinção de sexo, e tem uma grande relação com a idade, então é uma doença muito ligada ao aumento da expectativa de vida. A terceira é acidente. Quem tem mais acidente? Homem! Moto, carro, tiro. Nós temos 210 mil presos no estado de São Paulo, 210 mil, 40% dos presos do Brasil. Quantos por centos homem e quanto mulher? Noventa e cinco e meio por cento, homem; mulher, quatro e meio por cento. E esse pouquinho ainda é a má companhia dos homens! Mas o fato é que mulher tem muito menos acidente, então, a mulher vive em média cinco a mais do que nós, homens. E agora com esses avanços da ciência, o Aldo, nós vamos passar dos 100 e as mulheres não morrerão mais! Um grande abraço!