Discurso - Reunião/almoço com a Câmara de Comércio Brasil/Estados Unidos 20141211

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Discurso - Reunião/almoço com a Câmara de Comércio Brasil/Estados Unidos

Local: Nova York EUA - Data:Novembro 12/11/2014

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Cumprimentar a todas e a todos. Agradecer o honroso convite para trazer aqui uma palavra sobre o nosso estado de São Paulo. Cumprimentar e agradecer James [Ininteligível- 00: 21], o José Roberto [Ininteligível- 00: 25] e médico, que acha que haverá uma grande oportunidade para crédito mais barato para investimentos em logística, infraestrutura, melhorando a competitividade do nosso estado e do país. O Banco Mundial, o BIRD, tem uma agência que é amiga. Então, nós fizemos um contrato onde a agência dá a garantia que ele contém, e nós abrimos uma licitação do setor privado para financiamento. Então o Santander venceu a licitação, a garantia é MIGA, que vai dar garantia. E nós conseguimos então um ganho importante na taxa de juros para financiar esse primeiro contrato de 700 milhões de dólares para infraestrutura e logística. Rodovias integrando ferrovia, integrando com aerovias, integrando com dutovias, hidrovia e o sistema portuário. É vinda proveitosa aqui à Nova York, e acho que abre um caminho importante de crédito. O Brasil é grande, né, e às vezes as agências internacionais não tem tanto recurso para financiar. Então, esta inovação de dar a garantia que nós íamos ao setor privado, oportunidade boa. Vou fazer em poucos minutos aqui uma pequena apresentação. E preparei aqui uns números mostrando um pouco. Estado de São Paulo, como foi dito, 43 milhões de brasileiros no nosso estado, um PIB, nós tínhamos há 20 anos atrás, 30 anos, praticamente o mesmo PIB da Argentina. Hoje, temos um PIB quase o dobro da Argentina, somos o segundo PIB da América do Sul. Com a renda Per Capita se aproxima aí mais de 19 mil dólares. Aqui, uma trajetória da dívida do Estado. Nós tínhamos um endividamento que era duas vezes a receita do Estado. E o Brasil tem Lei de Responsabilidade Fiscal, e a lei de Responsabilidade Fiscal estabelecia um limite de duas vezes. Nós reduzimos, hoje é 1,4 a relação entre dívida sobre receita. Então o Estado foi saneado, uma redução importante da dívida frente à receita. Aqui, a questão da segurança, que na América Latina é sempre preocupante. Nós tínhamos um número de homicídios por 100 mil habitantes de 35 homicídios por 100 mil habitantes, e hoje é dez. Nós somos o único estado que é à frente a essa Organização Mundial de Saúde. A OMS estabelece que acima de 10 homicídios por 100 mil habitantes é caráter epidêmico. E nós chegamos a dez e vamos reduzir para um dígito em números. Aqui estabelecemos uma série de metas que pagamos bônus para os policiais, começando este ano, uma meritocracia, redução de crimes contra a vida, homicídio e latrocínio, roubos em geral e roubo e furto de veículos. Policial ganha uma bonificação se tiver uma redução no seu distrito de atuação. Estamos já no quarto mês de queda de roubo e furto de veículos, inclusive deve cair o seguro de veículos em São Paulo. Aqui compramos um sistema que tem em Nova York, que é o Detecta. Um sistema que tem um software inteligente, um sistema de câmeras de vídeo, integrados a esse software, com toda a base de dados, toda a base de dados integrada e um sistema de alarmes. Nova York tem seis mil câmeras de vídeo integradas nesse sistema. Mais da metade, inclusive, não é da Prefeitura, é do setor privado. Então, nós já estamos implantando o Detecta na região metropolitana de São Paulo e depois vamos para outras regiões do estado. Aqui, educação, nós somos o único estado brasileiro que investe 30% em educação, desde o ensino infantil, médio, fundamental, médio. E uma grande rede de ensino técnico e tecnológico. Técnico de um ano e meio e tecnológico de três anos, distribuídos por todo o estado de São Paulo. Aqui as universidades, temos as melhores universidades do país. Ficamos felizes pelo último “rankeamento”, a Escola de Agricultura, agronomia Luiz de Queiroz, de Piracicaba, foi tida com ao quinta melhor do mundo. As universidades são também extremamente relevantes. E pesquisa, investimos 1% o orçamento da receita do Estado em pesquisa e inovação. Temos um grande programa habitacional de habitação e interesse social. E lançamos, inclusive, a primeira PPP do país, Parceria Público Privada, para moradia na capital de São Paulo. Então, 14.140 unidades habitacionais nos centro expandido, para trazer de volta as pessoas a morarem no centro expandido de São Paulo. Aqui saúde, nós temos uma mortalidade infantil, como médico, esse é um indicador mais importante de saúde. De 31 para 11, e a nossa meta também, a maioria dos munícipios já é um dígito. Eu vejo um grande debate aqui nos Estados Unidos, na questão do atendimento a saúde, o Brasil foi... Saúde é direito do cidadão, então não precisa ter carteira, não precisa pagar e tem direito desde a vacina até o transplante de órgãos; desde o remédio para febre até as órteses e próteses. Um desafio generoso, população envelhecendo, mas de grande importância social. E São Paulo tem se destacado nessa questão dos avanços na saúde. Aqui novos hospitais e lançamos uma PPP, uma Parceria Público Privada para três grandes hospitais. Já começaram a sua construção, o Hospital da Mulher em São Paulo e um novo hospital São José dos Campos e Sorocaba, os primeiros de PPP. O setor privado constrói, equipa e opera a chamada bata cinza, não parte médica; a parte médica é do Estado; segurança, alimentação, limpeza, enfim, toda área não-médica. Aqui no Brasil, infelizmente, é hoje o maior consumidor de crack e de cocaína do mundo, do mundo. Era o primeiro em crack e o segundo em cocaína, só perdia para os Estados Unidos. Hoje é o primeiro em crack e cocaína. Um triste recorde. Então, estamos fazendo um grande trabalho de recuperação desses jovens, através do programa Recomeço, chegando a três mil leitos para tratamento de dependentes químicos, além do combate na área de segurança. Aqui nós temos a terceira metrópole do mundo. A grande São Paulo tem 22 milhões de pessoas, então o Rodoanel está sendo concluído, falta só a última etapa do Rodoanel ligando o Aeroporto de Guarulhos com o maior porto, que é o Porto de Santos. Aqui é a ultima etapa, chamado Trecho Norte do Rodoanel, está todo ele em obra. Deve ficar pronto em 30 meses. Nova York EUA