GRAU (Grupo de Resgate e Atendimento às Urgências)

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar
Atualizado em: 14 de maio de 2013

Quando surgiu: o sistema resgate existe desde 1989 no Estado.

O que é: o Grau (Grupo de Resgate e Atendimento às Urgências) é referência nacional e até mesmo internacional em resgate médico e atendimento a desastres, diretamente ligado ao Corpo de Bombeiros.

Como funciona: o acionamento do Grau é feito pelo telefone 193, Central de Operações do Corpo de Bombeiros (COBOM), cabendo ao Médico Regulador do Grau, através das informações recebidas e após o despacho da viatura adequada, monitorar e orientar os profissionais no local além de indicar o melhor recurso hospitalar para cada tipo de atendimento, de acordo com a regionalização e hierarquização dos hospitais previamente normatizados e por uma grade já estabelecida.

Objetivo: garantir um atendimento com mais rapidez e melhor qualidade. “Urgência e emergência são áreas em que o tempo, a qualidade do atendimento e a formação dos profissionais fazem toda a diferença”, no reforço dos primeiros socorros.

Benefício: a rapidez e o alcance do Grau, traz um benefício e praticidade, com raio de aproximadamente 60 km de onde a base está instalada, minimiza o estresse em localidades em que há poucos hospitais ou unidades sem as especialidades adequadas para atendimento da vítima.

Tropa de elite: em São Paulo, é considerada como, a “tropa de elite” do resgate médico, aéreo e terrestre, a vítimas de acidentes e violência em todo o Estado, que faz parte do Grau (Grupo de Atendimento e Resgate às Urgências).

Especialidades: o GRAU tem especialidades em catástrofes e atendimento à vítimas de acidentes.

Atendimento: realizam aproximadamente 18 mil socorros médicos por ano.

Dado: levantamento realizado pelo Grau mostra que 80% das cerca de 1.000 vítimas encaminhadas pelo serviço ao Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP sobreviveram e tiveram altas.

Treinamento: a equipe do Grau, que passa por diferentes e exaustivos treinamentos, como negociação em sequestros e balística, integra um sistema de resgate composto também pelo Corpo de Bombeiros e o Grupamento de Rádio e Patrulha Aérea da Polícia Militar.

Além de participar de ações áreas de resgate médico, por meio dos helicópteros Águias da Polícia Militar, o Grau também disponibiliza:

  • viaturas rápidas, com especialistas e
  • equipamentos aptos à prestação de atendimento rápido (para a vítima ainda em rua antes da chegada de uma ambulância).

Referências: o Grau é eferência nacional e internacional em resgate médico e atendimento a desastres, presentes em tragédias históricas, como:

  • Explosão do Osasco Plaza Shopping (1996),
  • Queda do teto da Igreja Renascer,
  • Quedas das aeronaves da TAM (1996), Gol (2006) e a dos Mamonas Assassinas (1996),
  • Além das enchentes que atingiram Santa Catarina (2008), São Luiz do Paraitinga, no interior paulista (2010) e Alagoas (2010).

Infraestrutura

  • Número de profissionais: cerca de 258 profissionais
  • Ambulâncias: 300 ambulâncias, chamadas unidades de suporte avançado.

Investimento

Investimentos na ampliação: R$ 34,7 milhões na compra de 50 ambulâncias superequipadas e na contratação de 258 profissionais que atuarão no socorro a vítimas de acidentes e violência em 10 cidades, com apoio de helicópteros da PM.

investimento anual: com a ampliação do Grau, a Secretaria irá quadriplicar o orçamento de seu serviço de Resgate, dos atuais R$ 5 milhões para R$ 22 milhões por ano.

Fonte: AI SES

Ampliação da rede

Atualizado em: 14 de maio de 2013

Bases

Em funcionamento:

O Grau conta com 80 profissionais distribuídos em sete bases, sendo Praça da Sé, Casa Verde, Cambuci, Butantã, Itaquera, Campo de Marte (grupamento aéreo) e Campinas.

Capital

  • Praça da Sé,
  • Casa Verde,
  • Cambuci,
  • Butantã,
  • Itaquera e Campo de Marte (grupamento aéreo).

Região de Campinas

Em implantação:

Instalação das novas bases: as novas bases devem ser entregues até março/2014, nos municípios do interior e litoral, que foram selecionados com base em sua grande densidade demográfica. Além disso, todas essas cidades possuem estruturas hospitalares aptas a receberem os pacientes em diferentes graus de complexidade, plenamente integradas com as Redes de Urgência do Estado, incluído os diversos Samus municipais.

Região de Bauru

Região de Araçatuba

Região de Ribeirão Preto

Região de São José dos Campos

Região de Presidente Prudente

Região de Santos

Região de São José do Rio Preto

Região de Sorocaba

Região de Campinas

Estrutura e novos investimentos

Atualizado em: 01 de setembro de 2014

Novas estruturas

Para reforçar e agilizar o socorro pré-hospitalar, fundamental para salvar vidas, a Secretaria investiu em novas estruturas:

  • passará de 80 para 258 novos profissionais.
  • 136 médicos (cirurgiões, intensivistas e anestesistas).
  • 122 enfermeiros.
  • na capital serão 60 profissionais, entre médicos e enfermeiros.
  • 21 helicópteros da Polícia Militar para transporte aéreo de pacientes com quadros gravíssimos e risco iminente de morte.

Todos são especializados no atendimento a pessoas em estado grave, como vítimas de atropelamento, quedas e até de grandes catástrofes, visando à estabilização do estado clínico até a chegada ao hospital.

Novas Ambulâncias

Foram entregues em 10 de maio de 2013, as 50 novas unidades de resgate que ampliarão e renovarão a frota do atendimento médico a vítimas de acidentes e violência em todo o Estado. O investimento da Secretaria da Saúde foi de R$ 6,5 milhões.


DISTRIBUIÇÃO DAS 50 NOVAS UNIDADES DE RESGATE EM 16 CIDADES


Grupamento Total
São Paulo
9
Guarulhos
2
Santos
3
Campinas
4
Santo André
2
Ribeirão Preto
4
Marília
3
São José dos Campos
5
São José do Rio Preto
2
Presidente Prudente
2
Sorocaba
4
Piracicaba
4
Mogi das Cruzes
1
Barueri
2
Jundiaí
2
Araçatuba
1

Novas entregas

No dia 18 de agosto o Estado apresentou ao GRAU 32 médicos e entregou 20 veículos de resgate médico.

Médicos: os médicos foram nomeados no dia 08 de agosto, sendo eles: 27 cirurgiões gerais; 2 intensivistas; e 3 anestesistas

Atuarão, 23 em São Paulo; 5 em São José dos Campos; e 4 em Campinas. Até setembro/14 serão nomeados 16 enfermeiros e até o final de 2014, mais 93 médicos deverão ser nomeados para atuar no interior e no litoral.

Unidades de resgate: foram entregues 20 novas ambulâncias equipadas com todos os recursos de suporte avançado às vítimas, além de materiais e insumos necessários para o atendimento.

Os veículos prestarão serviço na Capital. Outros 28 municípios estão recebendo diretamente 30 unidades de resgate. Investimento total: R$ 6,4 milhões, sendo R$ 128 mil por veículo.

  • Em setembro, outras 12 viaturas de regate serão entregues para as cidades do interior, com um investimento total de R$ 1,5 milhão.

Ver também

Links externos