Linhas do Metrô

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar
Atualizado em: 29 de julho de 2014
Metrô
Extensão total da rede 74,3 Km
Número de linhas em operação 5
Número de estações 64
Passageiros transportados(média por dia útil) 3,7 milhões
setembro de 2011
K.jpg

Linha 1-Azul

Atualizado em: 08 de dezembro de 2014


X.jpg
Características 20,2 km. 23 estações - Tucuruvi, Parada Inglesa, Jardim São Paulo, Santana, Carandiru, Portuguesa-Tietê, Armênia, Tiradentes, Luz, São Bento, Sé, Liberdade, São Joaquim, Vergueiro, Paraíso, Ana Rosa, Vila Mariana, Santa Cruz, Praça da Árvore.
Média de passageiros por dia 1,4 milhão passageiros por dia
Número de conexões 6 conexões. Com as linhas 7 - Rubi, 11 - Coral da CPTM na estação da Luz. Com a Linha 3 - Vermelha na estação da Sé. Com a Linha 2 - Verde nas estações Ana Rosa e Paraíso.
Histórico A primeira linha do metrô paulistano foi a 1-Azul, ou anteriormente chamada de Linha Norte-Sul. No dia 14 de setembro de 1974, teve início a operação comercial do metrô. O trecho percorrido foi Jabaquara-Vila Mariana. No dia 26 de setembro de 1975, a operação comercial foi estendida para toda a Linha 1 - Azul, de Santana a Jabaquara. Em 1998, foi entregue à população a Extensão Norte, que adicionou à Linha 1 - Azul mais 3,5 km de vias e 3 novas estações: Jardim São Paulo, Parada Inglesa e Tucuruvi.
Cronologia:
Intervalo entre os trens 120 segundos
Trens novos e reformados Condição dos 98 trens das frotas originais das linhas 1- Azul e 3- Vermelha que estão sendo modernizados ou já foram modernizados: 4 trens em modernização nas fábricas; 14 trens em testes; 47 trens liberados para operação comercial; (As demais composições ainda não estão no processo)
Redução do intervalo dos trens do Metrô Novo Modelo de Sinalização

Redução do intervalo dos trens do Metrô: está sendo implantado nas linhas do Metrô o CBTC (Communication-based Train Control). Trata-se do sistema mais moderno no mundo no setor de controle de tráfego de trens. A tecnologia permite o controle da distância, velocidade e quantidade de freios a serem aplicados a cada trem para que se obtenha o máximo de desempenho operacional e o menor intervalo entre trens em operação com total segurança. Um bom exemplo serão os trens da Linha 3 - Vermelha do Metrô, que poderão circular a cada 82 segundos no pico, a maior frequência entre os metrôs em todo o mundo, permitindo aumentar em cerca de 20% sua capacidade de transporte.

Funcionamento: o novo sistema de controle de sinalização do metrô começou a funcionar em 25 de agosto de 2013, em toda a linha 2-Verde. O modelo promete reduzir em 20% o tempo de espera dos passageiros nas estações da linha – que tem 14,7 Km de extensão – com a redução no intervalo entre os trens, que hoje é de 2,6 minutos em média.

O CBTC (Comunication-Based Train Control) já vinha funcionando, aos domingos, em um trecho de 2,9 Km na linha verde, entre as estações Vila Prudente e Sacomã, desde janeiro de 2013. Segundo o Metrô, o modelo vai continuar funcionando aos domingos e, dependendo do desempenho apresentado, a operação será estendida para os dias da semana. Com o CBTC, o Metrô espera reduzir a superlotação nas estações da linha 2-Verde, que teve, em 2012, média de ocupação de 5,7 passageiros por metro quadrado no horário de pico da tarde.parte

Nas linhas 1 – Azul e 3 – Vermelha esse sistema está em implantação. A Linha 4 - Amarela já utiliza dos sistemas de sinalização CBTC.

Gráfico
CBTC.jpg

Fonte: Estado de São Paulo, 10 de setembro de 2013


Linha 2-Verde

Atualizado em: 10 de abril de 2014


Atualizado em: 12 de dezembro de 2014
V.jpg
Características Extensão: 14,7 km. 14 estações - Vila Madalena, Sumaré, Clínicas, Consolação, Trianon-Masp, Brigadeiro, Paraíso, Ana Rosa, Chácara Klabin, Santos-Imigrantes, Alto do Ipiranga, Sacomã, Tamanduateí, Vila Prudente.
Média de passageiros por dia 670 mil passageiros por dia.
Número de conexões 4 conexões. Com a Linha 4 - Amarela do Metrô na estação Consolação. Com a Linha 1 - Azul do Metrô nas estações Paraíso e Ana Rosa. Com a Linha 10 - Turquesa da CPTM na estação Tamanduateí.
Histórico A Linha 2 - Verde foi inaugurada em 25 de janeiro de 1991, com 2,9 km de extensão e 4 estações (Consolação, Trianon-Masp, Brigadeiro, Paraíso). No ano seguinte, foram inauguradas as estações Ana Rosa e Clínicas, ampliando o trecho para 4,7 km. Duas estações (Vila Madalena e Sumaré) foram concluídas em 1998, acrescentando mais 2,3 km de extensão (gestão Covas). Em 30 de março de 2006 o então governador Geraldo Alckmin em seu último dia de governo inaugurou a estação Santos-Imigrantes. Pouco depois, em 09 de maio de 2006, houve a inauguração da estação Chácara Klabin pelo ex-governador Cláudio Lembo, completando assim o trecho de 2,9 km entre Ana Rosa e Santos-Imigrantes, ficando a linha com 9,9 quilômetros de extensão total. No dia 30 de junho de 2007 o governador José Serra inaugurou a estação Alto do Ipiranga e a Linha 2 - Verde passou a contar com 11 estações e 10,7 km de extensão. Em 2010, foram inauguradas as estações Sacomã (Serra), Vila Prudente e Tamanduateí (Goldman), e a linha chegou a 14 estações e 14,7 km de extensão.
Cronologia
  • 30 de novembro de 1987: início das obras da Linha 2 - Verde (trecho Paulista) entre as estações Ana Rosa e Clínicas.
  • 25 de janeiro de 1991: inauguração do trecho Paraíso - Consolação
  • 12 de setembro de 1992: inauguração das estações Clínicas e Ana Rosa.
  • 21 de novembro de 1998: inauguração das estações Sumaré e Vila Madalena.
  • 30 de março de 2006: inauguração da estação Santos - Imigrantes.
  • 09 de maio de 2006: inauguração da estação Chácara Klabin.
  • 30 de junho de 2007: inauguração da estação Alto do Ipiranga.
  • 10 de janeiro de 2010: início da operação assistida da estação Sacomã.
  • 30 de janeiro de 2010: inauguração oficial da estação Sacomã.
  • 21 de agosto de 2010: inauguração da estação Vila Prudente.
  • 21 de setembro de 2010: inauguração da estação Tamanduateí.
Redução do intervalo dos trens do Metrô Novo Modelo de Sinalização

Redução do intervalo dos trens do Metrô: está sendo implantado nas linhas do Metrô o CBTC (Communication-based Train Control). Trata-se do sistema mais moderno no mundo no setor de controle de tráfego de trens. A tecnologia permite o controle da distância, velocidade e quantidade de freios a serem aplicados a cada trem para que se obtenha o máximo de desempenho operacional e o menor intervalo entre trens em operação com total segurança. Um bom exemplo serão os trens da Linha 3 - Vermelha do Metrô, que poderão circular a cada 82 segundos no pico, a maior frequência entre os metrôs em todo o mundo, permitindo aumentar em cerca de 20% sua capacidade de transporte.

Funcionamento: o novo sistema de controle de sinalização do metrô começou a funcionar em 25 de agosto de 2013, em toda a linha 2-Verde. O modelo promete reduzir em 20% o tempo de espera dos passageiros nas estações da linha – que tem 14,7 Km de extensão – com a redução no intervalo entre os trens, que hoje é de 2,6 minutos em média.

O CBTC (Comunication-Based Train Control) já vinha funcionando, aos domingos, em um trecho de 2,9 Km na linha verde, entre as estações Vila Prudente e Sacomã, desde janeiro de 2013. Segundo o Metrô, o modelo vai continuar funcionando aos domingos e, dependendo do desempenho apresentado, a operação será estendida para os dias da semana. Com o CBTC, o Metrô espera reduzir a superlotação nas estações da linha 2-Verde, que teve, em 2012, média de ocupação de 5,7 passageiros por metro quadrado no horário de pico da tarde.parte

Nas linhas 1 – Azul e 3 – Vermelha esse sistema está em implantação. A Linha 4 - Amarela já utiliza dos sistemas de sinalização CBTC.

Linha2projeto.jpg
Prolongamento Linha 2 - Verde - Em Projeto
Nota No dia 06 de setembro de 2012, Ato do Presidente alterou a nomenclatura da linha, que era denominada Linha 15-Prata, para prolongamento da Linha 2 - Verde (Vila Madalena-Dutra).
Características Estudos preveem ligação de mais de 15,5 km entre Vila Prudente e Dutra, na divisa com o município de Guarulhos (400 metros), com 13 estações (Orfanato, Água Rasa, Anália Franco, Vila Formosa, Guilherme Giorgi, Nova Manchester, Aricanduva, Penha, Penha de França, Tiquatira, Paulo Freire, Ponte Grande e Dutra) e um pátio de manutenção.
Integração Com as linhas 3-Vermelha, Linha 6 - Laranja na Anália, Franca 11-Coral (futura) na Estação Penha, 12 - Safira e na futura 13-Jade (Expresso Guarulhos-Cumbica) na estação Tiquatira.
Trens 35 composições
Mudança de trajetória O Governo decidiu mudar a trajetória para levá-la até a Rodovia Presidente Dutra, perto da divisa com Guarulhos. A ligação sairá da Vila Prudente, passará por Anália Franco e Penha, chegará ao Parque Novo Mundo, no entorno do Hospital Nipo-Brasileiro e do entroncamento de Dutra e Fernão Dias.
Demanda para 2019 1,5 milhão de passageiros/dia, incluindo a atual demanda da Linha 2 - Verde.
Investimento O custo estimado para as obras civis (já contratadas) é de R$ 8,1 bilhões. Neste empreendimento o BNDES deverá participar com financiamentos de R$ 4,06 bilhões, sendo R$ 1,5 bilhão já contratado em 2013 e R$ 2,56 bilhões já aprovados pela Diretoria do Banco devendo ser assinado no início do próximo ano e proveniente do Programa de Aceleração do Crescimento – PAC.
Projeto apresentado em Brasília O governador Geraldo Alckmin se reuniu no dia 8 de julho de 2013, com a ministra do Planejamento, Miriam Belchior, e o ministro das Cidades, Aguinaldo Ribeiro, em Brasília, para mostrar o projeto de mobilidade urbana. O projeto contempla a Linha 2-Verde de Vila Prudente até Tiquatira. Porém, no dia 31 de julho de 2013, a presidente Dilma em São Paulo, não liberou o repasse para a obra.
Plano de Mobilidade Urbana No dia 25 de outubro de 2013, os governos do Estado e Federal firmaram o Plano de Mobilidade Urbana. Serão investidos 5,4 bilhões na construção de trilhos e estações metroferroviárias. Para o Metrô foi contemplado o prolongamento da Linha 2 - Verde até a estação Vila Formosa (R$ 4, 06 bilhões).
Projetos Básico e Civil Já foram concluídos os projetos funcional e básico que definem o traçado, localização das estações e o método construtivo.
Licença Ambiental O Metrô obteve, no dia 27 de março de 2013, a licença ambiental para a extensão da Linha.
DUP Ficam declarados de utilidade pública os imóveis localizados no trecho entre a estação Vila Prudente e a futura estação Aricanduva. O decreto foi publicado no dia 29 de julho de 2013, no Diário Oficial do Estado. As áreas que totalizam 104.116,31 m² estão localizadas nos bairros de Vila Prudente, Água Rasa, Vila Formosa, Carrão e Vila Matilde e serão necessárias para a implantação da Linha 2-Verde (Vila Prudente-Dutra).
Status No dia 25 de setembro de 2014, foi assinada a contratação das obras e a expectativa é que em fevereiro de 2015, inicie o trecho de Vila Prudente até Vila Formosa. O empreendimento foi dividido em oito lotes e terá frentes de trabalho simultâneas. A previsão de conclusão é para 2021.
Resultado da Concorrência 01/09/2014 – Reunião de Diretoria homologou o resultado da concorrência e autorizou a emissão dos contratos:
  • Lote 1 – Galvão / Paulista Somague (Shield + 1 estação + 1 estacionamento Rapadura)
  • Lote 2 – CR Almeida / Ghella-Consbem, (Shield + 2 estações)
  • Lote 3 – Mendes Jr. Trading (2 estações)
  • Lote 4 – Mendes Jr. Trading (1 estação)
  • Lote 5 – Mendes Jr. Treding (2 estações)
  • Lote 6 – Cetenco/Acciona/Ferreira Guedes (2 estações)
  • Lote 7 – Mendes Jr. Trading (2 estações)
  • Lote 8 – Cetenco/Acciona/Ferreira Guedes (1 Pátio Paulo Freire)

Fonte: Assessoria de Imprensa da Secretaria de Transportes Metropolitanos


Linha 3-Vermelha

Atualizado em: 08 de dezembro de 2014
R.jpg
Extensão 22 km. 18 estações - Palmeiras-Barra Funda, Marechal Deodoro, Santa Cecília, República, Anhangabaú, Sé, Pedro II, Brás, Tatuapé, Carrão, Vila Matilde, Guilhermina-Esperança, Patriarca, Arthur Alvim, Corinthians-Itaquera.
Média de passageiros por dia 1,4 milhão passageiros por dia.
Novo horário de funcionamento No dia 29 de julho de 2014, os secretários de Planejamento e Desenvolvimento Regional, Julio Semeghini, e dos Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes, e o presidente do Metrô, Luiz Antonio Carvalho Pacheco se reuniram com o presidente do Corinthians, Mario Gobbi, e o ex-presidente Andrés Sanchez para discutir a questão da mobilidade dos torcedores que frequentam a Arena Corinthians. Foi definido que, excepcionalmente para os jogos que começarem às 22h nos dias de semana, as estações Itaquera e Artur Alvim fecharão às 00h30min (com integração garantida), tempo mais que suficiente para o deslocamento dos torcedores. Além disso, a CPTM já conta com um trem que passa às 00h50min em Itaquera com destino às estações Tatuapé, Brás e Luz. O horário de fechamento do metrô às 00h30 também será adotado em outras estações localizadas próximas a estádios.
Número de conexões Cinco conexões. Com as linhas 7 - Rubi e 8 - Diamante da CPTM na estação Palmeiras-Barra Funda. Com a Linha 1 - Azul do Metrô na estação Sé. Com as linhas 10 - Turquesa, 11 - Coral e 12 - Safira da CPTM na estação Brás.
Histórico A construção começou em 1972; em 10 de março 1979 foi inaugurado o primeiro trecho, entre as estações Sé e Brás.
Cronologia
  • 10 de março de 1979: inauguração do trecho Sé - Brás
  • 23 de agosto de 1980: inauguração do trecho Brás - Bresser (atual Bresser-Mooca)
  • 15 de setembro de 1981: inauguração do trecho Bresser - Belém
  • 15 de novembro de 1981: inauguração do trecho Belém - Tatuapé
  • 24 de abril de 1982: inauguração do trecho Sé - Santa Cecília
  • 26 de novembro de 1983: inauguração da estação Anhangabaú
  • 13 de novembro de 1986: inauguração do trecho Tatuapé – Penha
  • 27 de agosto de 1988: inauguração do trecho Penha - Vila Esperança (Atual Guilhermina-Esperança)
  • 17 de setembro de 1988: inauguração do trecho Guilhermina-Esperança - Artur Alvim
  • 01 de outubro de 1988: inauguração do trecho Artur Alvim - Corinthians-Itaquera
  • 17 de dezembro de 1988: inauguração do trecho Santa Cecília - Barra Funda (atual Palmeiras-Barra Funda)
Integração Gratuita A partir do dia 22 de outubro de 2012, quem pagava R$ 3,00 para fazer a integração nas estações Corinthians-Itaquera e Tatuapé da Linha 3-Vermelha do Metrô com as linhas 11-Coral e 12-Safira da CPTM e vice-versa, faz a transferência gratuita em alguns horários. A nova medida proporciona economia e mais opções para a população que utiliza o transporte metroferroviário. Desde a implantação, 1,8 milhão de passageiros foram beneficiados com a medida

Mais de duas hora: a partir do dia 21 de janeiro de 2013, a integração gratuita entre as estações Corinthians-Itaquera e Tatuapé da Linha 3-Vermelha do Metrô, para as 11-Coral e 12-Safira da CPTM ganha duas hora a mais e vai das 10h às 17h nos dias úteis.

  • De segunda a sexta, o benefício vale das 10h às 17 h e também à noite, a partir das 20 h.
  • Aos sábados, a integração livre nas duas estações acontece a partir das 15 h
  • Nos domingos e feriados, a integração gratuita está liberada durante todo o dia.
Redução do intervalo dos trens do Metrô Novo Modelo de Sinalização

Redução do intervalo dos trens do Metrô: está sendo implantado nas linhas do Metrô o CBTC (Communication-based Train Control). Trata-se do sistema mais moderno no mundo no setor de controle de tráfego de trens. A tecnologia permite o controle da distância, velocidade e quantidade de freios a serem aplicados a cada trem para que se obtenha o máximo de desempenho operacional e o menor intervalo entre trens em operação com total segurança. Um bom exemplo serão os trens da Linha 3 - Vermelha do Metrô, que poderão circular a cada 82 segundos no pico, a maior frequência entre os metrôs em todo o mundo, permitindo aumentar em cerca de 20% sua capacidade de transporte.

Funcionamento: o novo sistema de controle de sinalização do metrô começou a funcionar em 25 de agosto de 2013, em toda a linha 2-Verde. O modelo promete reduzir em 20% o tempo de espera dos passageiros nas estações da linha – que tem 14,7 Km de extensão – com a redução no intervalo entre os trens, que hoje é de 2,6 minutos em média.

O CBTC (Comunication-Based Train Control) já vinha funcionando, aos domingos, em um trecho de 2,9 Km na linha verde, entre as estações Vila Prudente e Sacomã, desde janeiro de 2013. Segundo o Metrô, o modelo vai continuar funcionando aos domingos e, dependendo do desempenho apresentado, a operação será estendida para os dias da semana. Com o CBTC, o Metrô espera reduzir a superlotação nas estações da linha 2-Verde, que teve, em 2012, média de ocupação de 5,7 passageiros por metro quadrado no horário de pico da tarde.parte

Nas linhas 1 – Azul e 3 – Vermelha esse sistema está em implantação. A Linha 4 - Amarela já utiliza dos sistemas de sinalização CBTC.

Trens novos e reformados Condição dos 98 trens das frotas originais das linhas 1- Azul e 3- Vermelha queestão sendo modernizados ou já foram modernizados: 4 trens em modernização nas fábricas; 14 trens em testes; 47 trens liberados para operação comercial; (As demais composições ainda não estão no processo)



Linha 4-Amarela

Fonte: Reginaldo Seixas AI Metrô


Atualizado em: 15 de novembro de 2014
New4b.jpg
Características Extensão: 9 km (Trecho em Operação). Número de Estações em: 7 (Butantã, Pinheiros, Faria Lima, Fradique Coutinho, Paulista, Luz e República). Quando concluída(Fase 1 + 2) a Linha terá 12,8 km e 11 estações.
Integração
  • Na Estação Paulista, com a Linha 2-Verde do Metrô;
  • Na Estação Pinheiros, com a Linha 9 da CPTM;
  • Na Estação República, com a Linha 3-Vermelha do Metrô (Corinthians/Itaquera – Palmeiras/Barra Funda);
  • Na Estação Luz, com a Linha 1-Azul do Metrô
Média de passageiros por dia 650 mil usuários.
Trens No total serão 29 composições, sendo que 14 já estão em operação e mais 15 serão necessários para a Fase 2.
Acessibilidade Os itens de acessibilidade presentes nas estações serão elevadores, escadas rolantes, piso podotátil e a estação atenderá às exigências de acessibilidade de acordo com as leis e em conformidade com a ABNT.
Investimento total da 1ª e 2ª etapas R$ 5,6 bilhões, sendo R$ 3,8 bilhões na 1ª etapa (incluindo U$ 450 milhões a parcela do setor privado que entra com os 14 trens e parte dos sistemas operacionais); e R$ 1,8 bilhão na 2ª etapa.
Parceria público-privada Esta é a primeira linha de metrô no Brasil a ser operada por meio do regime de Parceria Público-Privada. Foi concedido à iniciativa privada o direito de explorar a linha durante trinta anos, com possibilidade de prorrogação, quando então será devolvida ao governo do Estado, para operação direta ou nova concessão. Em troca, o concessionário investirá em toda a frota de trens necessárias para operação, além de outros investimentos. A licitação foi bem sucedida, com a participação de dois consórcios de empresas interessados.
  • O governo do Estado investe mais de US$ 922 milhões, ou 73% dos recursos, enquanto a iniciativa privada investirá US$ 340 milhões, 27% do total;
  • O consórcio vencedor tem a concessão da linha por 30 anos, sendo obrigado a manter e operar, tendo a receita tarifária em retorno;
  • O concessionário tem o direito de explorar empreendimentos associados nas estações, tais como lojas, shoppings, estacionamentos, publicidades durante o prazo de concessão;
  • Foi instituído mecanismo de compensação financeira entre o Estado e o Concessionário, caso a demanda seja inferior ou superior ao previsto.
  • A linha deve atender aos mesmos padrões de excelência do metrô nos quesitos operacionais, de limpeza e segurança.
  • A tarifa cobrada na linha 4 é a mesma das outras linhas do Metrô e CPTM.
Cronologia
1ª fase da Linha 4 - Amarela Desde o dia 15 de setembro de 2011, com a inauguração das estações Luz e República, foi concluída a 1ª etapa da Linha 4 - Amarela do Metrô. No total são seis estações: Faria Lima, Paulista (25/05/2010), Butantã (28/03/2011), Pinheiros (16/05/2011), República e Luz (15/09/2011). Com os seus 9 km de percurso que podem ser feitos em 12 minutos.
Gráfico
Linha4yellow.jpg
2ª fase
Características Prevê o acabamento e a inauguração das cinco estações intermediárias: Fradique Coutinho, Oscar Freire e Higienópolis-Mackenzie; São Paulo-Morumbi e Vila Sônia.
Benefícios Depois que as cinco estações da 2ª fase forem concluídas com as 11 estações, o trajeto poderá ser feito em 21 minutos, beneficiando cerca de 1 milhão de passageiros por dia.
Início das obras O Governo de São Paulo iniciou, em 24 de março de 2012, as obras da 2ª fase da Linha 4 - Amarela.
Estações inauguradas Fradique Coutinho (15/11/2014)
Previsão de conclusão A previsão é concluir as estações Oscar Freire e Higienópolis-Mackenzie para o segundo semestre de 2015. As estações São Paulo-Morumbi e Vila Sônia para o segundo semestre de 2016. Com o percurso de 3,2 km, totalizando 12,8 km de extensão, entre Luz e Vila Sônia.
3ª Fase
Características A 3ª Fase prevê a ligação da Vila Sônia a Taboão da Serra. Extensão total: de 3,1 km, com 2 estações (Chácara do Jóquei e Taboão da Serra).
Projeto funcional Concluído em dezembro de 2013
Status Estão em andamento as investigações geotécnicas, topografia e cadastramento de redes públicas. Os projetos básicos de arquitetura e obras civis tem a expectativa de conclusão para agosto de 2015. As obras têm previsão de início para 2016.
Gráfico
New4a1.jpg

Fonte: Assessoria de Imprensa do Metrô


Linha 5-Lilás

Atualizado em: 12 de novembro de 2014
Li.jpg
Características Extensão: 9,4 km. Sete em operação (Capão Redondo, Campo Limpo, Vila das Belezas, Giovanni Gronchi, Santo Amaro e Largo Treze).
Média de passageiros por dia 250 mil passageiros por dia atualmente. Passará a atender 771 mil passageiros por dia quando for concluída a extensão de 11,5 km.
Número de conexões Conexão com a Linha 9 - Esmeralda da CPTM. Quando for concluída a extensão de 11,5 km e 11 novas estações a linha vai se comunicar com a Linha 17 - Ouro na Estação Campo Belo, com a Linha 1 - Azul, na estação Santa Cruz e, finalmente, com a Linha 2 - Verde, em Chácara Klabin.
Histórico Construída pela CPTM, era denominada "Linha G". Em 2001, o Governo do Estado de São Paulo transferiu a operação da Linha para a Companhia do Metropolitano de São Paulo, passando-se a chamar-se "Linha 5 - Lilás". O trecho inicial de 8,4 km de extensão foi entregue à população em 20 de outubro de 2002.
Cronologia
  • Março de 1998: inicio dos trabalhos da construção.
  • 20 de outubro de 2002: inauguração do trecho Capão Redondo-Largo Treze, operando das 10 às 15 horas.
  • 28 de outubro de 2002: início da operação comercial das 9 às 15 horas.
  • 18 de novembro de 2002: início da operação comercial das 8 às 15 horas.
  • 16 de dezembro de 2002: início da operação comercial das 7 às 16 horas.
  • 05 de fevereiro de 2003: início da operação comercial das 6 às 20 horas.
  • 04 de agosto de 2003: início da operação comercial das 5 às 22 horas.
  • 10 de agosto de 2008: início da operação aos domingos e feriados.
  • 17 de agosto de 2009: início da construção da estação Adolfo Pinheiro.
  • 23 de julho de 2011: retomada das obras de expansão da linha
  • 12 de fevereiro de 2014: inauguração da estação Adolfo Pinheiro
Gráfico
Mi.jpg
Integração Gratuita A partir do dia 15 de outubro de 2012, passa a ser gratuita a integração da Estação Largo Treze, na Linha 5 - Lilás, com as 56 linhas de ônibus do Terminal Santo Amaro. Hoje, o usuário paga R$ 1,65. O benefício está garantido até que estejam concluídas as obras da extensão da Linha, que vai chegar até a Estação Santa Cruz, integrando com a Linha 1 - Azul. A economia vai ser de R$ 36,30 por mês ou R$ 435,60 por ano.
Novas Tarifas
O passageiro que Quanto paga(até o dia 14/10/12) Quanto paga (A partir 15/10/12) Economia Mensal Economia Anual
Utiliza L9 (CPTM) ou L5 (Metrô) entre 9h e 10h
3,00
2,50
11,00
132,00
Faz integração com o ônibus na Estação Largo 13 da L5

no horário normal

4,65 (3,00 + 1,65)
3,00
72,60
871,20
Faz integração com o ônibus na Estação Largo 13 da L5 no horário madrugador
4,15 (2,50 + 1,65)
2,50
72,60
871,20
Usa os dois benefícios (L5 ou L9 entre 9h e 10h

+ integração gratuita na Estação Largo13)

4,65
2,50
47,30
567,60
Obs.: o cálculo leva em conta 22 dias úteis, ida e volta. No caso da redução entre 9h e 10h, é preciso lembrar que não há o desconto na volta para casa.

Fonte: secretário do Transportes Metropolitanos,Jurandir Fernandes


Linha5lilla.jpg
Obras da extensão 11,5 km do trecho Largo Treze à Chácara Klabin, com 11 estações (Adolfo Pinheiro, Alto da Boa Vista, Borba Gato, Brooklin, Campo Belo, Eucaliptos, Moema, AACD-Servidor, Hospital São Paulo,Santa Cruz e Chácara Klabin). A demanda prevista para 2015, quando a linha estiver completa, é de 771 mil passageiros/dia.
Investimento total R$ 9,1 bilhões
Fontes de Recursos(Em R$ mil)
  • BIRD – 1.141.978
  • BID – 604.666
  • BNDES – 2.692.218
  • PMSP – 221.196
  • GESP- 4.496.823
Financiamento Para o financiamento da expansão da linha, o Governo do Estado solicitou em 2009, inicialmente R$ 766 milhões de empréstimo junto ao BNDES. Este valor foi limitado pelo programa de ajuste fiscal do Estado à época. Em 2012, foi possível a aquisição de mais um empréstimo do BNDES no valor de R$ 1,9 bi, em recursos que deveriam ser utilizados em 2013 e 2014. Através da lei sancionada pelo governador, governo estadual solicita mais R$ 1,65 bilhão, em financiamento para compor o valor total do empreendimento, visando a desoneração do tesouro do estado.
Projeto apresentado em Brasília O governador Geraldo Alckmin se reuniu no dia 8 de julho de 2013, com a ministra do Planejamento, Miriam Belchior, e o ministro das Cidades, Aguinaldo Ribeiro, em Brasília, para mostrar o projeto de mobilidade urbana. O projeto contempla a 3ª fase da Linha 5, que liga Capão Redondo ao Jardim Ângela. Porém, no dia 31 de julho de 2013, a presidente Dilma em São Paulo, não liberou o repasse para a obra.
Novos trens O Metrô terá mais 26 trens novos em sua frota para operar na Linha 5 - Lilás. Já foram entregues para o Metrô 17 composições. A empresa fornecedora é a CAF, que venceu a concorrência internacional por R$ 615,1 milhões. Os trens serão produzidos em Hortolândia.
Início das obras 23 de julho de 2011.
Trecho Largo Treze e Adolfo Pinheiro Status: No dia 12 de fevereiro de 2014, foi inaugurada a estação Adolfo Pinheito. A nova estação deve receber cerca de 14 mil passageiros diariamente. Nesta fase inicial, funcionará gratuitamente de segunda a sexta-feira, entre 10h e 15h, até a estação Largo Treze. O governador Geraldo Alckmin, no dia 12 de dezembro de 2013, fez a primeira viagem de trem entre a estação Largo Treze e a futura estação Adolfo Pinheiro.
Adolfo Pinheiro-Chácara Klabin 2017
Terceira Fase Uma 3ª fase, com ligação entre o Capão Redondo e o Jardim Ângela, está em estudos preliminares. O projeto funcional já concluído e projeto básico em contratação, com previsão de conclusão para o primeiro semestre de 2016.
Megatatuzão Em janeiro de 2014, entrou em operação o terceiro e último shield na Linha 5. Assim, pela primeira vez, três tatuzões estão perfurando simultaneamente uma mesma linha de metrô no Brasil. No dia 28 de janeiro de 2014, o primeiro megatatuzão, que partiu no dia 11 de setembro de 2013, chegou à estação Eucalipto.
Inicio da operação do Megatatuzão No dia 11 de setembro de 2013, iniciaram a cavação dos túneis do trecho da Linha. O Megatatuzão, máquina que vai cavar, iniciou as atividades no Poço Bandeirantes, próximo ao local onde será instalada a estação Campo Belo. Depois seguirá com destino à estação Chácara Klabin.
Descida do megatatuzão O Metrô realizou no dia 01 de julho de 2013, no Poço Bandeirantes, a descida da Roda de Corte do shield, conhecido como megatatuzão, que será utilizado para as escavações da Linha 5 - Lilás do Metrô (Capão Redondo - Chácara Klabin). O equipamento irá perfurar um túnel do Poço Bandeirantes, na região do Campo Belo, até o Poço Dionísio da Costa, na região da Chácara Klabin, passando pelas estações Eucaliptos, Moema, AACD-Servidor, Hospital São Paulo, Santa Cruz e Chácara Klabin. Este túnel ainda possibilitará a interligação com a Linha 1 - Azul, na Estação Santa Cruz, e com a Linha 2 - Verde, na estação Chácara Klabin.
Obras Civis: Divididas em 8 lotes:
  • Lote 1 (estação Adolfo Pinheiro, VSE - Ventilação e Saída de Emergência Delmiro Sampaio, 2 túneis singelos e 644 m de via permamente), a cargo do consórcio Construtor-Constran: 65% das obras civis concluídas
  • Lote 2 (estações Alto da Boa Vista e Borba Gato, 2 VSEs: Paulo Eiró e Alexandre Dumas), a cargo do consórcio Galvão-Serveng: 7,35% das obras civis concluídas
  • Lote 3 (estação Brooklin; 3 VSEs: São Sebastião, Roque Petrella e Bandeirantes; 1 poço: Conde de Itu; 2 túneis singelos em shield e 5,134 m de via permanente), a cargo do consórcio Andrade Gutierrez-Camargo Corrêa: 2,5% das obras civis concluídas
  • Lote 4 (estação Campo Belo e VSE Jesuíno Maciel), à cargo da empresa Mendes Júnior: 2,2% das obras civis concluídas
  • Lote 5 (estações Eucaliptos e Moema e VSE Rouxinol), a cargo do consórcio H. & Fonseca-T. Iesa: 7,5% das obras civis concluídas
  • Lote 6 (estações AACD-Servidor e Hospital São Paulo, 2 VSEs: Olímpico e Magalhães e um estacionamento de trens: Servidor), a cargo do consórcio Carioca-Cetenco: 1,8% das obras civis concluídas
  • Lote 7 (estações Santa Cruz e Chácara Klabin, 3 VSEs: Botucatu, Joel J. de Melo e Dionísio da Costa e 1 túnel duplo em shield e 5.743m de via permanente), a cargo do consórcio Odebretcht-OAS-Queiroz Galvão: 1,9% de obras civis concluídas
  • Lote 8 (1 pátio de Manutenção e Estacionamento: Guido Caloi), a cargo do consórcio CR Almeida-Consbem-: 11 das obras civis.
Sistema de Sinalização e Controle Contrato assinado com a Bombardier Consortium. Início dos trabalhos.
Demais sistemas (auxiliares, de alimentação elétrica, de telecomunicações e de controle e arrecadação de passageiros) - A contratar.
Construção da oficina de trens Teve início, no dia 09 de janeiro de 2013, à construção das fundações do Bloco A, edifício que vai abrigar oficina de manutenção dos trens da Linha 5 - Lilás, no futuro pátio de manutenção e estacionamento de trens Guido Caloi.
  • Características: o bloco A terá 16.135 m² de área construída e serão necessárias 648 estacas para estruturar a fundação total desse edifício. Quando concluído, esse bloco poderá receber simultaneamente oito trens para manutenção pesada e mais oito trens para manutenção simples.
  • Estrutura: o futuro pátio Guido Caloi vai ter oficinas de material rodante, sistemas eletromecânicos e áreas administrativas, que estarão divididas em 28 blocos. Também terá uma alça de acesso (logo após a estação Santo Amaro), 5.650 metros de vias e capacidade para estacionar 26 trens, podendo receber futuramente mais 24 composições.
  • Investimento: o valor total da obra é de cerca de R$ 297 milhões.
  • Capacidade: a área total do pátio é superior a 176 mil m² (o equivalente à área de 25 campos oficiais de futebol, 65x108m).
  • Previsão de entrega: em 2015


Linha 6-Laranja

Atualizado em: 05 de novembro de 2014
Características Planejada para ter 34,1 km de extensão e 33 estações. Com a integração entre as linhas 7 - Rubi e 8 - Diamante, da CPTM, na estação Água Branca; Linha 4 - Amarela, na estação Higienópolis-Mackenzie; e Linha 1 - Azul, na estação São Joaquim.
Benefícios A linha atenderá os bairros: Brasilândia, Freguesia do Ó, Pompeia, Perdizes, Sumaré, Bela Vista e Liberdade e beneficiará grandes centros educacionais como a UNIP, PUC, FAAP, Mackenzie e FMU. A demanda de passageiros está prevista em 630 mil por dia, em 2017.
1ª fase - Trecho Brasilândia - São Joaquim
Trecho6.jpg
Característica A primeira etapa dessa linha, trecho Brasilândia - São Joaquim, ampliará a rede metroviária com mais 15,9 km, 15 estações e 23 trens. A demanda prevista é de mais de 630 mil passageiros/dia.
Estações Brasilândia, Vila Cardoso, Itaberaba / Hospital Vila Penteado, João Paulo I, Freguesia do Ó, Santa Marina, Água Branca, SESC Pompéia, Perdizes, PUC-Cardoso de Almeida, Angélica-Pacaembu, Higienópolis-Mackenzie, 14 Bis, Bela Vista e São Joaquim.
Investimento estimado R$ 9,6 bilhões. sendo que R$ 8,9 bilhões são divididos entre o Governo do Estado (50%) e o consórcio (50%). Os outros R$ 700 milhões são referentes às desapropriações que serão executadas pelo Estado. O consórcio vencedor apresentou a proposta de contraprestação anual de R$ 606,7 milhões, por 19 anos, valor menor do que o estimado pelo governo.
Assinatura do contrato No dia 18 de dezembro de 2013, foi assinado o contrato com o consórcio vencedor. A Move São Paulo é composta pela Odebrecht, Construtora Queiroz Galvão, UTC Participações e Eco Realty Fundo de Investimentos e Participações. O contrato tem 25 anos de vigência, sendo seis para implantação da linha e 19 para operação e manutenção (incluindo o pátio de manobra, aquisição de sistemas operacionais e a compra de uma frota de 23 trens).
Status As obras começaram em julho de 2014 e a previsão de conclusão para 2020
Cronograma
  • Projeto funcional: Ligações Bandeirantes ‐ Brasilândia e São Joaquim ‐ Cidade Líder: Contratos foram assinados em 31 de julho de 2012 com o Consórcio VETEC/OPUS/CONTROLTEC
  • Manifestação de Interesse da Iniciativa Privada: em 13 de fevereiro de 2012, das sete credenciadas, apenas três entregaram propostas (GALVÃO e SOMAGUE, ODEBRECHT e QUEIROZ GALVÃO).
  • Em 12 de julho de 2012, a Modelagem Final foi apresentada ao Conselho Gestor e aprovada.
  • A Audiência Pública foi no dia 11 de setembro de 2012.
  • Em dezembro de 2012, aconteceu a Consulta Pública
  • Lançado o edital internacional: 30 de janeiro de 2013.
  • Licenças Ambientais: EIA‐RIMA (Estudo de Impacto Ambiental/Relatório de Impacto Ambiental): A LAP (Licença Ambiental Prévia) foi lançado no dia 30 de janeiro de 2013.
  • Apresentação das propostas: nenhuma empresa apresentou proposta para construir e operar a Linha 6-Laranja, no primeiro edital publicado em julho de 2013. Um novo edital foi publicado oficialmente no dia 13 de setembro de 2013 e teve o prazo de 45 dias para apresentação de propostas, com abertura dos envelopes no dia 31 de outubro de 2013.
  • No dia 18 de dezembro de 2013, foi assinado o contrato com o consórcio vencedor.
  • Em julho de 2014, começaram as obras.
Desapropriações Com a publicação do novo edital, no dia 13 de agosto de 2013, o Governo do Estado assumiu o pagamento integral das desapropriações e o reassentamento de 300 a 500 famílias. O valor em torno de R$ 650 milhões a R$ 700 milhões. A partir da mudança do primeiro edital, o governo paga a desapropriação, aumenta seu investimento e diminui a seguir o período mensal que o vencedor vai saldar durante o processo de operação de 20 anos.
Gráfico
Trecho61a.jpg
  • Imagem Folha de São Paulo
2ª fase - Trecho São Joaquim - Cidade Líder
Trecho26.jpg
Características Em fase de estudos preliminares, a segunda etapa, com o trecho São Joaquim - Cidade Líder contará com 13 estações e extensão de 14,5 km. Esta etapa contará com as estações Aclimação, Largo Cambuci, Alberto Lion, São Carlos, Parque da Moóca, Vila Bertioga, Vila Canero, Anália Franco, Montemagno, Renata, João XXIII, Vila Antonieta e Jardim Marília.
3ª fase - Trecho Bandeirantes - Brasilândia
Linha6orange.jpg
Características Em fase de estudos preliminares, a terceira etapa contará com 5 estações (Vila Clarice, Centro de Convenção Pirituba, Velha Campinas e Morro Grande) e 6,1 km de extensão.
Linha6.jpg

Fonte: Assessoria de Imprensa do Metrô


Linha 15-Prata

Atualizado em: 04 de novembro de 2014
Linha1cad15.jpg
Nota No dia 06 de setembro de 2012, Ato do Presidente alterou a nomenclatura da linha, que era um prolongamento da Linha 2 - Verde, em monotrilho, para futura "Linha 15 - Prata" (Ipiranga – Hospital Cidade Tiradentes). Com a mudança, foi acrescentada extensão de 1,3 km de Vila Prudente a estação Ipiranga da CPTM, em estudos. A Linha 15 - Prata também chegou a ser denominada Linha 15 - Branca, que hoje não existe no mapa da rede.
Características 26,6 km de linhas (monotrilho), 18 estações e aquisição de 58 trens
Usuários A estimativa é atender cerca de 500 mil passageiros por dia.
Economia de tempo Quando o monotrilho estiver em operação, os moradores da Zona Leste, em São Paulo, vão poder efetuar o percurso entre os bairros Cidade Tiradentes e Ipiranga em apenas 50 minutos, trajeto que atualmente leva mais de duas horas para ser percorrido. Assim, a população que trafega nesse percurso economizará diariamente quase três horas para o transporte.
Investimento previsto (26,6 Km e 18 estações) R$ 6,4 bilhões.
Financiamento do BNDES O Governo de São Paulo assinou, em 20 de junho de 2012, contrato de financiamento de R$ 922 milhões com o BNDES.
Assinatura de convênios No dia 14 de março de 2014, o Estado firmou convênio com a prefeitura para a execução das obras do Monotrilho das linhas 15-Prata e 17-Ouro do Metrô. As ações conjuntas serão destinadas à execução das obras de adequação viária e demais serviços necessários à implantação. A prefeitura anunciou um investimento de R$ 360 milhões para utilização do Governo nas duas linhas.
Prêmio da União Internacional dos Transportes Públicos A Linha 15 - Prata do Metrô recebeu, no dia 28 de maio de 2013, o prêmio da União Internacional dos Transportes Públicos (UITP) na categoria Inovação em Intermodalidade. A premiação ocorreu durante a 60º edição do Congresso Mundial de Mobilidade e Transporte Público, que acontece em Genebra, na Suíça, até 29 de maio. A Companhia do Metropolitano de São Paulo também foi premiada pela UITP, vencendo na categoria Inovação em Serviços ao Cliente, do Prêmio Crescendo com o Transporte Público (Grow With Public Transport).

Com a premiação, a Linha 15 - Prata coloca São Paulo na vitrine do transporte público urbano mundial. A cidade será a primeira do mundo a implantar a tecnologia do novo modal de monotrilho de alta capacidade como sistema público de transporte massivo.

Trechos
  • Trecho entre Vila Prudente e Oratório (extensão: 2,9 km. 2 estações: Vila Prudente e Oratório. Entregue: agosto de 2014)
  • Trecho entre Oratório e São Mateus em construção (extensão: 10,1 km. 8 estações: São Lucas, Camilo Haddad, Previsão, Vila Tolstoi, Vila União, Jardim Planalto, Sapopemba, Fazenda da Juta, São Mateus Previsão de entrega: 2015.
  • Trecho entre São Mateus e Cidade Tiradentes (7 estações: Iguatemi, Jequriça, Jacú Pêssego, Erico Semer, Márcio Beck, Cidade Tiradentes, Hospital Cidade Tiradentes. Extensão: 11,4 km. Previsão: 2016
  • Extensão Vila Prudente – Ipiranga (CPTM) da Linha 10 - Turquesa: No dia 30 de agosto de 2013, o Governador anunciou a extensão até Ipiranga. O projeto funcional da extensão já foi contratado e o prolongamento de 2,2 quilômetros permitirá uma redistribuição do fluxo de passageiros da estação Vila Prudente, aumentando a opção aos moradores do Bairro do Ipiranga.
Construção da estação Oratório As obras tiveram início em abril de 2010. Serão cinco mil metros quadrados de área construída e dois acessos, cada um com bicicletário para 50 bicicletas. A estação Oratório será totalmente acessível, contará com elevadores e escadas rolantes que permitem o acesso do mezanino às plataformas.
Pátio de Manutenção e Estacionamento Oratório O novo pátio será o primeiro do Metrô específico para o sistema monotrilho, onde os veículos circularão em via elevada entre 12 e 15 m de altura. O Pátio Oratório, com 5.650 m de vias e capacidade para estacionar 28 trens, terá uma alça de acesso ao leste logo após a estação Oratório. A área total do pátio é de quase 90 mil m² e abrigará 22 edificações, além de uma máquina de lavar trens.
Novas estações Em 18 de julho de 2012, o Governador Geraldo Alckmin anunciou, durante visita às obras do monotrilho da Linha–15-Prata, a publicação, em agosto de 2012, dos editais para a construção de 15 estações do prolongamento da linha. Contratação: novembro 2012.
  • Consórcio ACF Executivo: prestação de serviços técnicos especializados para elaboração dos projetos executivos de engenharia civil, acabamento,comunicação visual e paisagismo das 15 estações e do pátio Ragueb Chohfi do trecho São Lucas - Hospital Cidade Tiradentes e acompanhamento técnico de obra do sistema monotrilho;
Licença ambiental O Metrô recebeu, em 06 de junho de 2012, da Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente, a Licença Ambiental de Instalação (LAI) para continuar as obras de expansão da Linha, de mais um trecho de 6 km, entre o cruzamento da Avenida Prof. Luiz Ignácio de Anhaia Mello com a Rua Manuel Arruda Castanho, seguindo pela Av. Sapopemba e Praça Felisberto Fernandes da Silva.
Consórcios:
  • Consórcio S.A. Paulista – Somague – Benito Roggio e Hijos: execução das obras civis - Lote 1 – Estações São Lucas, Camilo Haddad, Vila Tolstoi e Vila União;
  • Tiisa - Triunfo Iesa Infraestrutura SA: execução das obras civis - Lote 2 – Estações Jardim Planalto, Sapopemba, Fazenda da Juta e São Mateus;
  • Consórcio S.A. Paulista – Somague – Benito Roggio e Hijos: execução das obras civis - Lote 3 – Estações Iguatemi, Jequiriçá, Jacú-Pêssego e Pátio Ragueb Chohfi.
Tecnologia do monotrilho A opção do Metrô de São Paulo pelo monotrilho para fazer a ligação Ipiranga-Hospital Cidade Tiradentes levou em consideração o tempo menor de implantação deste sistema em relação ao metrô convencional, além da previsão de atendimento pleno da demanda, com capacidade para transportar 48 mil passageiros/hora/sentido. A implantação do monotrilho, privilegiando o canteiro central de avenidas, a uma altura entre 12 e 15 metros, minimiza a necessidade de desapropriações. A futura Linha 15 - Prata avançará ao longo das avenidas Luiz Inácio de Anhaia Mello, Sapopemba, Metalúrgicos e Estrada do Iguatemi. Com velocidade semelhante ao metrô convencional (máxima de 80 km/h e média operacional de 36 km/h), o monotrilho também é movido à energia elétrica, não poluente, e com reduzido ruído operacional também por rodar sobre pneus. A tecnologia do monotrilho da futura Linha 15 - Prata é fornecida pela fabricante canadense Bombardier, que usará sua fábrica no município paulista de Hortolândia para montar (com índice de nacionalização de equipamentos superior a 60%), os 58 trens do sistema, com sete carros cada.

Fonte: Coordenadora Assessoria de Imprensa, Reginaldo Nogueira


Linha 17-Ouro

Atualizado em: 05 de novembro de 2014
Linha17.jpg
Características ligará a estação São Paulo-Morumbi à estação Jabaquara. No total serão 18 estações e 17,7 km de extensão, com demanda prevista de 417 mil usuários/dia em dezembro de 2016, quando a linha estiver completa.


Conexões haverá conexões com as linhas 1 - Azul (estação Jabaquara), 4 - Amarela (estação São Paulo-Morumbi) e 5 - Lilás (Estação Campo Belo), e com a Linha 9 - Esmeralda da CPTM (estação Morumbi).
Usuários por trechos a demanda prevista do trecho 1 da Linha 17 - Ouro, entre as estações Morumbi e Jardim Aeroporto, é de cerca de 98 mil passageiros/dia. Para os trechos 2 (São Paulo-Morumbi a Panamby) e 3 (Vila Paulista a Jabaquara), a previsão é de 417,5 mil passageiros/dia.
Investimento previsto R$ 4,8 bilhões
Início das obras o Governo de São Paulo autorizou, em 29 de março de 2012, o início das obras da Linha 17 - Ouro.
1ª fase o primeiro trecho a ser entregue à população, com 7,7 km de extensão, será entre o aeroporto de Congonhas e a estação Morumbi, da Linha 9 - Esmeralda da CPTM (Osasco-Grajaú), previsto para 2016, com oito estações (Jardim Aeroporto, Congonhas, Brooklin Paulista, Vereador José Diniz, Campo Belo, Vila Cordeiro, Chucri Zaidan, Morumbi (integração com a estação Morumbi da CPTM).
2ª fase continuidade entre a estação Morumbi (Linha 9 - Esmeralda) e a estação São Paulo-Morumbi (Linha 4 - Amarela), passando por Paraisópolis, e do trecho Jabaquara a Brooklin Paulista.
Assinatura de convênios no dia 14 de março de 2014, o Estado firmou convênio com a prefeitura para a execução das obras do Monotrilho das linhas 17-Ouro e 15-Prata do Metrô. As ações conjuntas serão destinadas à execução das obras de adequação viária e demais serviços necessários à implantação. A prefeitura anunciou um investimento de R$ 360 milhões para utilização do Governo nas duas linhas.
Status Execução de 218 estacas, 85 blocos, 87 pilares e 4 capitéis na Av. Jornalista Roberto Marinho. Mudança de 192 famílias vulneráveis do total de 372 cadastradas (52%).
Lançamento da 1ª via-guia o lançamento da 1ª viga-guia aconteceu no dia 25/05/13.
Licenças Ambientais de Instalação (LAI)
  • Processo foi parcializado para agilizar a obtenção das Licenças Ambientais de Instalação (LAI)
  • Trecho 1A (vias entre as estações Brooklin e Chucri Zaidan ‐ Av. Roberto Marinho): assinada em 21 de março de 2012. Trecho 1B (Demais trechos de via): protocolada em 30 de maio de 2012 na Secretaria do Verde e Meio Ambiente.
  • Trecho 1B (demais trechos de via): protocolada em 30 de maio de 2012 na SVMA. O Metrô obteve a licença ambiental, no dia 30 de outubro de 2012, subtrecho na Avenida Jornalista Roberto Marinho até a avenida Nações Unidas.
  • Trecho 1C (pátio): aguardando pendências de projeto para elaboração do relatório para envio à SVMA.
Desapropriação Total: 163 imóveis. 23 disponibilizados para obra (14%)
Reassentamento convênio CDHU em janeiro de 2012. Entrevistas com as famílias/estabelecimento das adesões aos benefícios dos vulneráveis iniciadas em 02 de maio de 2012. A CDHU iniciou a convocação das 143 famílias para as adesões aos benefícios.
Projeto Básico das Estações e Pátio - Civil e Sistemas em elaboração

Fonte: Assessoria de Imprensa do Metrô


Linha 18-Bronze

Atualizado em: 04 de dezembro de 2014
Linha18a.jpg
Características Trata-se da primeira linha metroviária intermunicipal, integrando a Região Sudeste da RMSP (ABC) com a rede de Metrô. O traçado definido no projeto funcional prevê 20 km, 18 estações (+ 1 estação, Vila Carioca, em estudo), 4 terminais integrados, 2 pátios.
Trens A previsão é que serão necessárias 20 composições para uma demanda inicial de 304,6 mil passageiros/dia (2015) e 33 trens para demanda de 378 mil/dia (2020).
Trajeto A Linha vai da Estrada dos Alvarengas, em São Bernardo do Campo, passando pelas imediações do terminal Ferrazópolis do corredor ABD, seguindo pelas avenidas Lauro Gomes, Guido Aliberti, Presidente Wilson, até chegar ao terminal Tamanduateí do Metrô.
Valor previsto para Investimentos R$ 4,2 bilhões, sendo R$ 3,8 bilhões custeados 50% pelo Governo do Estado e 50% pela iniciativa privada. Os outros R$ 406 milhões são referentes às desapropriações que serão executadas pelo Estado. Deste valor, R$ 400 milhões vêm do Governo Federal a fundo perdido, por meio do PAC 2 (Plano de Aceleração do Crescimento 2).
1ª fase Vai do Centro de São Bernardo até a estação Tamanduateí do Metrô. 13 estações; 14,9 km de extensão e 1 Pátio de Manutenção e Manobras (Totalizando 15,7 km)
2ª fase Vai do Centro de São Bernardo até a Estrada dos Alvarengas.
Licença Ambiental EIA‐RIMA (Estudo de Impacto Ambiental/Relatório de Impacto Ambiental): o relatório foi concluído pelo Consórcio WALM Ambconsult, protocolado em 12 de junho de 2012 na CETESB e, em 15 de junho de 2012, foi publicada no DOE a solicitação da Licença Ambiental Prévia.
Projetos básicos e executivos 12 empresas/grupos se cadastraram para fazer os estudos, porém 4 apresentaram projetos (CONSÓRCIO METROPOLITANO DE TRANSPORTES–CMT, BRASELL, INVEPAR/QUEIROZ GALVÃO/BOMBARDIER e ODEBRECHT) em 16 de julho de 2012. Houve aproveitamento parcial dos estudos apresentados pela empresa Odebrecht e pelo consórcio formado pelas empresas Invepar, Queiroz Galvão e Bombardier. Em 07/11/2013, o Conselho Gestor de PPP, aprovou as atualizações na modelagem econômico-financeira e no Edital do projeto após Consulta Pública.
Publicação do Edital No dia 29 de janeiro de 2014, foi anunciado o edital da Linha 18 e publicado no dia 03 de fevereiro de 2014. A sessão pública para o recebimento das proposta estava marcada para o dia 16 de abril de 2014, porém foi suspensa. A Secretaria de Transportes Metropolitanos acatou as recomendações do Tribunal de Contas do Estado. No dia 19 de maio de 2014, foi anunciada a republicação do edital, as propostas foram recebidas até o dia 03 de julho de 2014.
Status Em 22/08/2014, foi assinado com o Consórcio ABC Integrado (Primav, Cowan, Encalso e Benito Roggio Transportes). Previsão de início de obras no primeiro trimestre de 2015.
Desapropriação Não se sabe quantas famílias serão desapropriadas, pois o Consórcio ABC Integrado está em fase de cadastramento. Estima-se que serão cerca de 230/250 propriedades, porém, não é possível, nesse momento, mensurar número de famílias por propriedade. O Decreto de Utilidade Pública – DUP (Decreto 59.762 de 19/11/2013) emitido pelo Governo do Estado que efetuou estas desapropriações baseado no projeto funcional da linha.
Consulta pública A consulta pública foi no dia 05/07 a 06/08/13.
Cronograma previsto
  • Início de obras: agosto de 2015.
  • Previsão de entrega do Trecho 1 (Tamanduateí ao Paço Municipal SBC): até 3 anos após o início das obras.
  • Previsão de entrega do Trecho 2 (Paço Municipal à Estrada dos Alvarengas): ainda não incluído no projeto
Gráfico
Li18.jpg

Fonte: Coordenadora Assessoria de Imprensa, Reginaldo Nogueira


Linha 19-Campo Belo/Guarulhos

Atualizado em: 10 de novembro de 2014
Linha19a.jpg
Características Com 26,3 km de extensão, sairá da zona sul da Capital, atravessando o centro e a zona norte, até o município de Guarulhos, com 27 estações no total. Fará integração com outras 10 linhas, do Metrô e da CPTM.
Traçado O traçado tem início na Estação Campo Belo, passa pelas avenidas Santo Amaro e Brigadeiro Luís Antônio. Na aproximação do Viaduto Jaceguai toma a direção da Rua Santo Amaro e atravessa o Vale do Anhangabaú e prossegue pela Rua Carlos Souza Nazaré, passando próximo do Mercado Municipal. Cruza a Avenida do Estado, chegando ao antigo Pátio do Pari, local onde está prevista uma estação de transferência entre linhas metroferroviárias. Da Estação Pari, segue paralela às ruas Júlio Ribeiro, Silva Teles e Avenida Ariston de Azevedo.

Cruza o Rio Tietê, tomando a direção da Avenida Guilherme Cotching, por onde prossegue até a Rua Araritaguaba. Prossegue em direção ao Jardim Japão, onde integrará com a Linha 2 - Verde, na estação Dutra. Continua pela Rua Boaventura de Souza, cruzando a Rodovia Fernão Dias na altura da Rua Deus do Sol, já em Guarulhos.

Corta quadras na direção Leste – Nordeste até alcançar a Rua Salvador Gaeta, seguindo por esta via até atingir a Avenida Guarulhos. O trecho final da linha segue pela Rua Dom Pedro II e Avenida Monteiro Lobato, até o cruzamento com a Rua José Campanella.

1ª fase Brigadeiro - Tancredo Neves (Guarulhos). Extensão de 19,3 km e 20 estações. Com demanda prevista de 930 mil passageiros por dia.
2ª fase Campo Belo - Brigadeiro. Extensão de 7 km e 7 estações.
Contratações Em 31 de julho de 2012, foi publicado no DOE o Aviso de Licitação para Prestação de Serviços para o Desenvolvimento de Projeto Funcional da Linha 19 – Celeste (Campo Belo – Guarulhos). As empresas interessadas apresentaram as propostas até o dia 20 de setembro de 2012.
Projeto funcional Lote 1 e 2 Foram habilitadas para o Lote 1 - Consórcios Funcional Campo Belo Guarulhos e Projeto Linha 19 e Empresa

Sistran Engenharia Ltda; Lote 2 - Consórcios Funcional Campo Belo Guarulhos E M19 E Empresa Sistran Engenharia Ltda. Foram Selecionadas As Propostas Do Consórcio Funcional Campo Belo Guarulhos

Projeto funcional O contrato do referido projeto funcional foi assinado no dia 10 de agosto de 2013 e a ordem de serviço emitida no dia 2 de setembro de 2013. O prazo de conclusão está previsto para janeiro de 2015.

Fonte: Coordenadora Assessoria de Imprensa, Reginaldo Nogueira


Linha 20-Rosa

Linha 20 - Rosa - Em Projeto

Atualizado em: 18 de dezembro de 2014

Ver também

Links externos

Linha20b.jpg
Características o projeto completo tem 25 km de extensão. Ligará a zona oeste de São Paulo, na futura estação Lapa, passando pela Av. Brigadeiro Faria Lima e pela futura estação Moema, na zona sul, à região do ABC, com mais de 20 estações quando estiver concluída.
Primeira fase inicialmente, a Linha 20 - Rosa terá 14 estações em 12,3 km e 13 trens. Em abril de 2012, o governador Geraldo Alckmin anunciou que a linha será construída em parceria com o Banco Mundial.
Demanda prevista 468 mil passageiros por dia, na fase 1, e 797 mil, com a linha completa (2025)
Investimento Previsto R$ 9,5 bilhões
Diretriz do traçado como diretriz de traçado, definida com os trechos Lapa-Moema e Moema-Rudge Ramos (São Bernardo do Campo), terá a função de interligar os subcentros Lapa, Pinheiros, Itaim Bibi e Moema, cortando o espigão da Cerro Corá, passando pelo eixo comercial da Faria Lima, em Pinheiros e Itaim Bibi, conectando-o com áreas de alta concentração de empregos no ABC e Centro Expandido a Sudoeste.
Conexões a Linha 20 estará interligada nas regiões oeste e sudoeste com as linhas 7 – Rubi, 8 – Diamante e 9 – Esmeralda da CPTM e as linhas 2 – Verde (Vila Madalena – Vila Prudente), 4 – Amarela (Vila Sônia – Luz), 5 – Lilás (Capão Redondo – Chácara Klabin) e 19 – Celeste (Campo Belo – Pari – Guarulhos) do Metrô. Além de potencializar a reorganização do sistema de ônibus, especialmente na Av. Faria Lima.
Etapas a linha será implantada em duas etapas, Lapa – Moema e Moema – Rudge Ramos
Trecho Lapa-Moema (1ª fase) 12,3 km, 14 estações que adicionadas à extensão Vila Madalena – Cerro Corá totalizam 14,9 km e 15 estações. A escolha do trecho Lapa-Moema (1ª fase) como prioritário, a ser implantado em subterrâneo, deu-se em função do grande potencial de expansão do atendimento da rede metroferroviária às áreas com concentração de empregos e com carência de transporte coletivo.
Projeto Funcional o projeto foi revogado, conforme publicado no DO em 31 de agosto de 2012, pois a Linha 20 - Rosa está sendo objeto de “Chamamento Público” para que a iniciativa privada desenvolva os estudos e modelagem para implantação da Linha.
Status Os estudos recebidos estão em analise no Setorial, e não há previsão de quando a modelagem final será submetida ao CGPPP. Até o momento, o projeto de PPP da Linha 20 avançou as seguintes etapas
Cronograma
  • Proposta Preliminar: 09/mar/2012
  • Chamamento Público:03/ago/2012
  • Recebimento dos estudos: 01/abr/2013 (01 estudo entregue pela Invepar)
  • Modelagem Final: em estruturação
  • Consulta Pública: previsão 2015
  • Edital: previsão 2015
  • Contrato: previsão 2015
Cronologia da Manifestação de Interesse da Iniciativa Privada (MIP)
  • Em 24 de setembro de 2011, foi recebida carta da Investimentos e Participações em Infra-estrutura S/A - INVEPAR, endereçada à Presidência do Conselho Gestor das Parcerias Público Privadas (CGPPP), à Secretaria dos Transportes Metropolitanos e ao Metrô, que trata de Manifestação de Interesse dessa empresa em desenvolver projetos e estudos necessários à viabilização de empreendimento de PPP visando à implantação, operação e manutenção da Linha 20 - Rosa do Metrô.
  • Em 31 de outubro de 2011, foi solicitada pela Secretaria Executiva do CGPPP a complementação da MIP para fins de efetivo enquadramento legal e de consolidação, sob a condição de Proposta Preliminar de PPP a ser apreciada pelo Conselho Gestor de PPP.
  • Em 28 de novembro de 2011, foi recebida pelo CGPPP a MIP por parte da Investimentos e Participações em Infra-estrutura S.A. - INVEPAR, com vistas à implantação, operação e manutenção da Linha 20 do Metrô, ligando os bairros da Lapa e de Moema, com integração à Linha 5 - Lilás.
  • Em 14 de julho de 2012, foi publicada a Ata que acolheu e aprovou a Proposta Preliminar encaminhada pela INVEPAR.
  • Em 03 de agosto de 2012, foi publicado no DOE o Chamamento Público Nº 002/2012 para a apresentação, por eventuais interessados, de Manifestação de Interesse para Desenvolvimento de Estudos e Modelagem, face à Manifestação de Interesse por parte de Agente da Iniciativa Privada (MIP) proposta pela INVEPAR, com adequações sugeridas pela Secretaria dos Transportes Metropolitanos.
  • Em setembro de 2012, nove empresas/grupos se apresentaram a fim de requerer autorização para desenvolver estudos e modelagem da Linha 20 - Rosa, em conformidade com o Chamamento público nº 005/2012.
  • No dia 01 de abril de 2013, foi entregue apenas um estudo pela Invepar